Geórgia Guia de Cidades

Visitar Mtskheta, Geórgia: Roteiro e Guia Prático de Viagem

Mtskheta City Guide – Guia de Cidade – Visitar Mtskheta

Visitar Mtskheta, Geórgia: Roteiro e Guia Prático de Viagem
Visitar Mtskheta, Geórgia: Roteiro e Guia Prático de Viagem

Apesar da proximidade de Tbilisi, a menos de 20 km a sul, Mtskheta é uma atracção por si própria. Trata-se de uma das cidades mais antigas da Geórgia e local de extrema importância para a nação e para os georgianos: foi capital de um reino georgiano entre o século III a.C. e o século V d.C. e foi aqui que o Cristianismo se tornou a religião do país, mantendo-se até hoje como a sede da Igreja na Geórgia.   

Visitar Mtskheta – O importante a saber

Visitar Mtskheta - O importante a saber
Visitar Mtskheta – O importante a saber

Mtskheta foi fundada por antigas tribos no século V a.C. junto à confluência dos rios Mtkvari e Aragvi tornando-se mais tarde capital da primeira unidade política da Geórgia até ao século V d.C. quando o rei Dachi se mudou para Tbilisi, local que considerava militarmente mais vantajoso em caso de ataque.

Foi aqui que em 334 o Cristianismo foi oficialmente adoptado, e mantém-se até hoje o centro da Igreja na Geórgia, tendo sido até ao final da monarquia, no século XIX, o local de coroação e sepultura de reis de sucessivas dinastias. Encontra-se a uma pequena distância da Tbilisi, podendo ser uma boa alternativa para os visitantes que acorrem à região, devido aos preços mais baixos e à facilidade de circulação entre ambas as cidades.

Hoje em dia tem cerca de dez mil habitantes e faz parte da lista de Património Mundial da Humanidade da UNESCO.

Dicas rápidas para Mtskheta

  • Acorde cedo e seja o primeiro a entrar nos monumentos, museus ou outros locais de interesse.
  • Pague os serviços de um guia privado para visitar a Catedral de Svetitskhoveli. Há muitos detalhes históricos que nunca conseguirá saber ser ser através do conhecimento de um guia oficial.
  • Do outro lado do rio, está o Complexo arqueológico de Armaztsikhe. Muito pouco visitado, este lugar é fascinante. Não perca.
  • Há muito para visitar no vale de Mtskheta. Não se fique só pelo centro da cidade. Se não tiver transporte próprio, faça um tour organizado.

Principais Pontos Turísticos e Monumentos em Mtskheta

Principais Pontos Turísticos e Monumentos em Mtskheta
Principais Pontos Turísticos e Monumentos em Mtskheta
  • Mosteiro de Jvari
  • Catedral de Svetitskhoveli
  • Convento Samtavro
  • Fortaleza de Bebris Tsikhe
  • Câmara do Vinho
  • Mosteiro de Shiomgvime
  • Casa Museu de Ilia Chavchavadze
  • Complexo arqueológico de Armaztsikhe 

O que visitar em Mtskheta – Geórgia

O que visitar em Mtskheta - Geórgia
O que visitar em Mtskheta – Geórgia

1. Mosteiro de Jvari

Jvari, em georgiano, significa “cruz”. Este nome foi dado ao mosteiro devido a uma enorme cruz de madeira que foi erigida aqui pelo Mirian III após a adopção do Cristianismo, que por sua vez replicava uma cruz ali colocada por Santa Nino, responsável pela introdução do Cristianismo na Geórgia. O mosteiro, já se vê, é bem antigo, remontando ao século VI ou VII, tendo sido erigido pelos construtores Stephanos, Demetrius e Adarnase.

Com o tempo a importância do mosteiro aumentou e o número de peregrinos que aqui se dirigiam não parou de subir. No final da Idade Média foi ampliado e fortificado, podendo ainda hoje observar-se a muralha construída em seu redor e o portão que lhe dava acesso.

Após a independência da Geórgia, em 1991, o mosteiro voltou a ser usado para fins religiosos, mas a degradação dos materiais originais tem levantando algumas preocupações nos últimos anos.

Devido à sua posição, no topo das colinas que abraçam Mtskheta, o mosteiro é um dos melhores locais para se observar a cidade a uma certa distância.

2. Catedral de Svetitskhoveli

Esta catedral, construída no início do século XI, é ainda hoje o principal edifício religioso da Geórgia. Foi concebida pelo arquitecto georgiano Arsukisdze, representando a mais apurada expressão da arquitectura medieval na região e erigida no local onde já antes existia uma igreja de menores dimensões, datada do século VI. Aqui foram sepultados durante séculos os reis da Geórgia e é o local mais visitado do país.

A fachada oeste é a mais interessante, ricamente ornamentada e muito próximo da sua forma original mas a sua face virada a sul é deveras interessante, mostrando uma assimetria que lhe é característica.  

É possível que no século XV a catedral tenha sido completamente alterada e o que vemos no seu interior é quase exclusivamente daquele período da história.  Em 1787 o rei Erekle mandou construir uma muralha protectiva.

Segunda a lenda, um pedaço das vestes de Cristo cairam nas mãos de um habitante de Mtskheta , um judeu chamado Eliazar que terá assistido à crucificação. De regresso à sua terra, terá dado a relíquia à sua irmã Sidónia, que incapaz de se separar do tesouro foi sepultada com ele, no local onde hoje se ergue a catedral.

3. Convento de Samtavro

No convento de Samtavro vamos encontrar as sepulturas do rei Mirian e da rainha Nana, os monarcas que em 337 tornaram o Cristianismo a religião oficial da Geórgia, e o túmulo do famoso monge georgiano Gabriel.

O convento propriamente dito é relativamente recente, datado de 1820, mas no complexo de Samtavro distingue-se a igreja da Transfiguração, construída no século XI, com alguns elementos mais recentes, nomeadamente as pinturas murais no altar e na cúpula, que foram adicionadas em meados do século XVII.

No local têm-se desenvolvido estudos arqueológicos que apontam para a existência no mesmo local de uma igreja de grandes dimensões anterior ao século XI.

Nas imediações existe ainda uma pequena igreja dedicada a Santa Nino, datada do século IV, e uma torre sineira de três níveis datada do século XV, assim como uma torre cilíndrica do século XVII, restaurada no século XIX, que integra o sistema defensivo do complexo.

4. Fortaleza de Bebris Tsikhe

A informação sobre esta antiga fortaleza não é abundante e mesmo os georgianos pouco sabem sobre a sua história.

Localiza-se no topo de uma colina e nos seus tempos aúreos controlava o acesso a Mtskheta através da estrada que passava junto à ravina de Aragvi. Existia em tempos uma cidadela no interior da área muralhada, que ainda hoje tem uns consideráveis 1.500 m2.

É um lugar envolto em lendas. Uma delas fala de um nobre chamado Simão. Simão tinha dois filhos, a bonita Makrine e Mamuka, um rapaz com coração de gelo. Após a morte do pai, Mamuka aumentou os impostos sobre os já pobres camponeses. Makrine pediu-lhe para reconsiderar e acabou por ser presa nas masmorras. Um dia, quando mais uma vez Mamuka maltratava os seus servos, foi cercado por serpentes e vendo-se nessa difícil situação prometeu a Deus que construiria uma igreja caso se salvasse. Não fez isso, mas quer ele quer a irmã ingressaram em ordens religiosas e nunca mais se viram. Quando Makrine morreu, já idosa, um velho homem aproximou-se e disse ao corpo inanimado: “Minha irmã, cumprimos a nossa promessa”. Esta é a lenda que justifica o nome da fortaleza, que significa “Fortaleza do Idoso”.

5. Câmara do Vinho

Num país onde o vinho desempenha um papel importante, quer economicamente quer culturalmente, é importante que o visitante tente aproximar-se dos círculos vinícolas, o que em Mtskheta pode ser feito na Câmara do Vinho ou, na língua local, Gvinis Palata.

Para além do restaurante há uma série de actividades relacionadas com a produção do vinho que o visitante poderá experimentar. O edifício tem quatro andares e cada um deles oferece uma oportunidade diferente. No andar térreo poderá ouvir histórias sobre o vinho georgiano, no primeiro andar os visitantes são convidados a experimentar diversos vinhos regionais e aprender a preparar o pão tradicional, enquanto as danças e cantares típicos reforçam o ambiente. Mais acima, no terceiro andar, poderá voltar às provas de vinho, desta vez usufruindo de vistas privilegiadas sobre a cidade o mosteiro de Jvari.

6. Mosteiro de Shiomgvime

O nome deste mosteiro significa “a caverna de Shio”, localizando-se num desfiladeiro na margem sul do rio Kura.

Não se sabe ao certo quando foi fundado, mas segundo a tradição oral, foi criado neste local uma primeira comunidade religiosa no século VI. Terá sido o seu criado o próprio São Shio, que segundo dizem acabou os seus dias como eremita, vivendo numa caverna, o que terá dado o nome ao actual mosteiro.

O edifício mais antigo do complexo é a igreja de São João Baptista, datada da segunda metade do século VI. Trata-se de um templo algo austero, com uma cúpula octogonal.

A igreja que se encontra mais acima foi erigida no século XII a mando do rei David IV como uma igreja abobadada, mas depois de ter sido arrasada durante uma das muitas invasões sofridas pela Geórgia, foi reconstruída como basílica em 1678.  

O mosteiro foi renovado nos século XII e XVII, mas manteve a sua traça original, de grande sucesso, já que rapidamente após a sua fundação se tornou o principal mosteiro da Geórgia, com cerca de dois mil monges. O seu sucesso não resistiu às sucessivas invasões estrangeiras e entrou em declínio.

Esteve encerrado durante a época da União Soviética, mas após a independência da Geórgia regressou às suas funções religiosas.

7. Castelo de Armazi Tsikhe

As ruínas deste velho castelo, activo entre os séculos II e VIII, distam 3 ou 4 km da estação de caminhos-de-ferro de Mtskheta, mas é um percurso técnico, de alguma exigência e que poderá não ser acessível a todos. Contudo, o esforço dispendido vale a pena, pois para além da magia que irradia do local as vistas são impressionantes.

Além disso no mesmo passeio poderá observar uma pequena capela dedicada a Maria, mãe de Jesus, e todo o envolvimento natural, de uma enorme beleza, e que inclui uma cascata.

Nas estruturas ainda existentes podem-se reconhecer os traços de uma torre em relativo bom estado de conservação, de uns banhos e de diversos túmulos.

O seu nome deriva do ídolo pagão Armazi, que em tempos o rei Parnavaz declarou ser o deus principal do reino.

Tours em Mtskheta

Museus em Mtskheta

1. Casa Museu de Ilia Chavchavadze

Esta casa museu foi inaugurada em 1951, encontrando-se estabelecido numa casa que é por si um ponto de interesse, classificada como imóvel património nacional.  

No total são 300 m2 de exposição, com especial destaque para o escrito georgiano Ilia Chavchavadze (1837-1907) e para o espólio fotográfico que retrata aspectos da vida quotidiana de finais do século XIX. Existem também diversas obras de arte, de autores nacionais e estrangeiros e vasta documentação sobre a vida e obra do escritor. No total o museu detém mais de duas mil e quinhentas peças.

Encontra-se aberto todos os dias excepto às Segundas-feiras, entre as 09:00 e as 18:00, custando o bilhete 2 GEL.

Fotos de Mtskheta

Celebrações e Feriados em Mtskheta

  • 1 de Janeiro – Ano novo
  • 7 de Janeiro – Natal Ortodoxo
  • 19 de Janeiro – Batismo de Jesus Cristo
  • 3 de Março – Dia das Mães
  • 8 de Março – Dia Internacional da Mulher
  • 9 de Abril – Dia da Unidade Nacional
  • 9 de Maio – Dia da vitória sobre o Fascismo
  • 23 de Maio – Dia de Santo André
  • 26 de Maio – Dia da Independência
  • 28 de Agosto – Morte da Teótoco
  • 14 de Outubro – Dia da Catedral de Svetitskhoveli
  • 23 de Novembro – Dia de São Jorge

Roteiros de Mtskheta

Roteiros de Mtskheta
Roteiros de Mtskheta

1 Dia em Mtskheta (24 horas)

Manhã:
Tarde:

2 Dias em Mtskheta (48 horas)

Dia 1 Manhã:
Dia 1 Tarde:

Dia 2 Manhã:
Dia 2 Tarde:

3 Dias em Mtskheta (72 horas)

Dia 1 Manhã:
Dia 1 Tarde:

Dia 2 Manhã:
Dia 2 Tarde:

Dia 3 Manhã:
Dia 3 Tarde:

Guia de Viagem à Geórgia