Dicas úteis para poupar dinheiro em Londres

COMO POUPAR DINHEIRO EM LONDRES
COMO POUPAR DINHEIRO EM LONDRES

Alguns países e cidades são mais caros do que outros. Tudo depende da moeda e do nível de vida. Londres pode ser uma cidade cara e, se o seu orçamento for mais alto, naturalmente vai ser mais fácil decidir o que fazer, mas também consegue ter uma experiência fantástica em Londres com pouco dinheiro. Só tem de fugir dos locais londrinos mais turísticos, que geralmente puxam mais pelos preços. Se é estudante pergunte e procure sempre por descontos especiais para quem anda a estudar.

DICA IMPORTANTE: Compre o London Pass para ter descontos em monumentos, museus, utilização gratuita da rede de transportes públicos e evitar longas filas para comprar bilhetes – compre o London Pass aqui.

Dinheiro, cartões e caixas multibanco

Dinheiro em Londres
Dinheiro em Londres

A moeda em Londres (e no país) é a libra esterlina, ou simplesmente libra, e que pode dar uma dor de cabeça a fazer contas de conversões. É que, apesar de Inglaterra fazer parte da União Europeia, nunca adoptou a moeda única, o Euro.

A libra esterlina britânica – Sterling Pound – que se divide em 100 pence, representa actualmente cerca de 1,39€ e a tendência nos últimos anos tem sido de valorização, muito devido à crise da zona euro. As notas são de £5, £10, £20 e £50. Tem moedas de £1 e £2 e 5p, 10p, 20p, 50p e 1p e 2p.

Pode fazer o câmbio do dinheiro no seu país mas, muitas vezes, compensa cambiar somente quando chega a Londres. Pode fazê-lo logo no próprio aeroporto ou depois, em bancos ou casas de câmbio no centro da cidade. Pode levar apenas algum dinheiro, já cambiado do seu país, e, uma vez lá, vê o qual o local que lhe dá o melhor valor para trocar. Às vezes, faz uma diferença substancial e pode perder muito dinheiro com o câmbio.

Leve algum dinheiro em libras para comprar os bilhetes de comboio/metro/autocarro, depois do voo de avião, e também para as primeiras despesas: comer quando chegar à cidade, etc. No dia seguinte, durante os seus passeios vá ficando atento aos preços das taxas de câmbio.

A maioria dos espaços comerciais aceita os cartões de crédito, principalmente os mais conhecidos. Alguns podem até aceitar pagamentos com euros – mas levarão uma comissão para a conversão da moeda e, muitas vezes, maior do que se tivesse cambiado por si. Também nos aeroportos de Londres podem aceitar euros.

Em Londres, pode usar as caixas multibanco que, por lá, chamam-se ATM, para levantar dinheiro. E, como em qualquer país do mundo inteiro, tenha atenção por causa de roubos. Não ande com muito dinheiro na rua porque, no meio da confusão, pode perder.

Multibanco em Londres
Multibanco em Londres

Enquanto o sistema de multibanco português funciona em rede para todos os bancos, no Reino Unido cada banco tem o seu próprio sistema. Ou seja, não tem uma rede única, o que pode limitar por exemplo o acesso a informação sobre movimentações da conta.

No entanto pode levantar dinheiro à vontade, se bem que existem máquinas que lhe podem cobrar uma comissão de utilização por levantamento de dinheiro. As que têm os nomes dos bancos são as gratuitas.

Veja com o seu banco, antes de partir, se compensa usar o cartão de crédito para compras ou gastos nos restaurantes, em vez de cambiar. Bastam umas simples contas para perceber isso.

Como o país manteve a sua moeda, mesmo estando na União Europeia, manteve também as suas casas de câmbio a funcionar e a dar emprego a muita gente. No centro da cidade vai encontrar facilmente pequenos estabelecimentos que lhe fazem a conversão para a moeda que quiser. Pode ainda comparar os câmbios. Uns locais valem mais a pena do que outros.

Como poupar dinheiro em Londres


1- Onde comer e beber


Entrada para o tradicional pub inglês Old Queen’s Head na Essex Road em Londres
Entrada para o tradicional pub inglês Old Queen’s Head na Essex Road em Londres

Como em todos os destinos turísticos há sítios baratos e sítios caros. Mesmo as cadeias de fast food podem parecer mais caras em Londres, porque quando fizer mentalmente o câmbio de libras para euros (ou para outra moeda), vai ver que é mais caro do que no seu país.

No entanto, existem outros locais como pequenos cafés, as fish and chips que encontra por todo o lado, pizzarias, indianos, chineses ou lojas com sanduíches (que por vezes nem têm cadeiras, só um balcão, onde é pedir, pagar e andar), ou ainda locais com buffet (onde pode comer o que quiser e as bebidas são à parte. Neste caso, veja sempre em quanto fica com bebidas e, se não quiser pedir bebidas, peça só água da torneira que é, por lei, gratuita. Se não lha colocarem logo na mesa, peça-a você.

Os supermercados de rua também têm sandes feitas e bebidas que ficam mais baratas – também aqui as marcas brancas são aconselháveis, com a marca do supermercado e são mais baratas. Nos mercados de comida, na rua, os preços são também mais baixos. Aproveite para comprar fruta que pode comer enquanto caminha. Porque não comprar tudo e fazer piqueniques num dos muitos jardins londrinos?

Um segredo: alguns restaurantes têm refeições com descontos para quem vai ver espectáculos em Londres. Como neste caso se janta bastante mais cedo do que o normal, as refeições são bem mais baratas. Todos ganham com isso. Há ainda o Taste Card (tem de comprar) que dá descontos de 50% em centenas de restaurantes londrinos, alguns bem caros, por isso vale a pena.


2- Nos transportes


Famoso Double decker bus ou autocarro panorâmico (ônibus panorâmico)
Famoso Double decker bus ou autocarro panorâmico (ônibus panorâmico)

Poupe dinheiro com o Oyster Card. É uma espécie de passe dos transportes públicos e poupa-se dinheiro ao comprar este cartão recarregável ao invés de comprar sempre viagens individuais. Também ganha tempo porque não tem de estar sempre preocupado com os pagamentos. Se tiver dúvidas sobre o que lhe compensa pergunte numa das caixas das estações centrais de metro e eles dão-lhe a solução mais em conta para o seu caso.

Se viajar nos transportes públicos fora das horas de ponta ou durante o fim-de-semana, os bilhetes são mais baratos! Outra opção é caminhar muito e poupar nos transportes. A cidade é gigante, mas se estipular por zonas o que tem de ver, caminha menos e aproveita mais as áreas visitadas.


3- Cultura, free of charge


Vista do navio-museu HMS Belfast da Marinha Real Britânica atracado no rio Tamisa perto da Tower Bridge em Londres
Vista do navio-museu HMS Belfast da Marinha Real Britânica atracado no rio Tamisa perto da Tower Bridge em Londres

São muitos os museus londrinos com entrada gratuita: British Museum, The National Portrait Gallery, The Victoria and Albert Museum, The National Gallery, Tate Museum, Tate Britain, Natural History Museum, Science Museum, Museum of London, National Maritime Museum e Imperial War Museum. Aproveite! Além disso, muitos outros locais têm pontualmente concertos e outros espectáculos gratuitos. Verifique as agendas culturais da cidade para a altura da sua visita e aproveite as borlas.


4- Procure pelos descontos


Os espectáculos do West End têm dois tipos de bilhetes para as primeiras filas: caros e muito caros. Mas é possível também comprá-los mais baratos com alguns truques. Há bilhetes na TKTS na Leicester Square ou Brent Cross com 50% de desconto. São bilhetes para o próprio dia, para os melhores lugares, com um mega-desconto. Outra opção é ir directamente ao teatro onde quer ir ver o espectáculo e comprar um dos bilhetes mais baratos, que são sempre dos lugares mais afastados do palco (alguns a 10£). Alguns teatros põem bilhetes ainda mais baratos à venda, horas antes do espectáculo, para preencher os lugares vazios. Informe-se junto dos teatros.


5- WiFi


Precisa de internet gratuita? Existem muitos hotéis e cafés com internet grátis mas também as livrarias públicas têm e não precisa de cartão para estar lá num cantinho. Se vai ficar muito tempo em Londres compensa tirar um cartão de membro para entrar e sair da biblioteca e ter acesso à internet sem pagar nada.


6- Escolha o alojamento certo para si


Se for com um grupo de amigos e familiares talvez seja melhor alugar uma casa onde possa cozinhar, em vez de alugar vários quartos num hotel. Claro que hotel é muito bom… tem quem lhe faça a cama, arrume o quarto e a maioria tem o pequeno-almoço incluído. Como a maior parte dos turistas passa o almoço na rua em visitas, poderia poupar nos jantares cozinhando na casa alugada. Tem de fazer as contas para ver se lhe compensa.