Roteiro de 5 dias em Londres: Itinerário diário passo-a-passo

ROTEIRO 5 DIAS EM LONDRES
ROTEIRO 5 DIAS EM LONDRES

Visitar a cidade de Londres durante cinco possibilita conhecer um pouco do que a cidade oferece com um pouco mais de calma.

Pubs, mercados, museus, monumentos, musicais e muito mais! Cinco dias passam a correr, mas já permitem ver e fazer muita coisa em Londres. Vou ajudá-lo organizar a sua semana em Londres.

Naturalmente, tudo isto são sugestões – o mais importante é que organize a sua viagem de acordo com os seus gostos pessoais. Neste roteiro de 5 dias, encontra dicas para visitar a cidade de Londres por zonas, para que possa em cada dia fazer (quase) tudo a pé e sem perder muito tempo a andar de um lado para o outro. Nesta página vou partilhar consigo passo-a-passo, dicas e conselhos de viagem com um roteiro de Londres explicado dia-a-dia.

DICA IMPORTANTE: Compre o London Pass para ter descontos em monumentos, museus, utilização gratuita da rede de transportes públicos e evitar longas filas para comprar bilhetes – compre o London Pass aqui.

Roteiro de 5 dias em Londres

Sexta-feira / primeira noite

Acabou de chegar, provavelmente ainda cansado do dia e da viagem. Se não tiver muita vontade de sair do hotel, não se esforce – descanse mesmo, já que vai precisar de energia para a semana que se segue. Se ainda for cedo ou tiver vontade de tomar um copo, pergunte no hotel se há algum pub ou bar agradável próximo, ou então, se estiver numa zona mais interessante dê uma caminhada, sem pressa de ver isto ou aquilo.

Sábado / primeiro dia

Uma vez que vai ficar em Londres quase uma semana inteira, pode fazer algumas das coisas que sugeri no roteiro de dois dias, com muito mais tempo e calma.

Comece pela City (a City of London, também conhecida pela Square Mile), o coração da cidade. Inicie o dia com uma caminhada curta, de pouco mais de 2km, em que vai ver algumas das principais atracções e marcos históricos da City. Primeiro, o Museum of London – aqui vai ficar a conhecer um pouco mais história turbulenta da cidade, desde o período dos romanos, até aos saxões e ao período medieval. Está instalado na rotunda que intersecta a London Wall e a Aldersgate St. e, como na maioria dos principais museus de Londres, a entrada é gratuita. Depois, caminhe uns cinco minutos na direcção do Tamisa e entre na Catedral de São Paulo, uma catedral Anglicana (Igreja de Inglaterra) que é uma das mais impressionantes do mundo – a sua cúpula é mesmo a segunda maior do mundo, só ultrapassada pela Basílica de São Pedro, no Vaticano.

A não ser que tenha andado a correr, já será hora de almoçar. Procure o Burger and Lobster, a menos de 5 minutos a pé, na Bread St. Para esta zona da cidade não é caro, podendo fazer uma refeição simples por pouco mais de 10 euros. Há na zona muitos restaurantes, pelo que pode procurar um pouco pelo que lhe interessar mais.

Depois de almoço sugiro um programa que vai certamente ajudar a queimar as calorias. Desça uns metros em direcção ao rio até à Cannon St. caminhe cerca de 1km até ao The Monument – o monumento criado em memória do Grande Incêndio de Londres. Encha-se de coragem e suba os seus 311 degraus. O bilhete custa cerca de 5 euros, mas a vista lá de cima é fabulosa. Quando recuperar o fôlego, caminhe mais uns 10 minutos em direcção à Torre de Londres.

Situada nas margens do Tamisa, esta estrutura imponente foi construída no século XI por ordem de Guilherme, O Conquistados e já foi desde residência de monarcas a prisão de indesejados do reino. Actualmente guarda a jóias da coroa britânica e uma colónia de seis corvos protegida por decreto real que, segundo a crença popular, protegem a Torre e a Coroa Britânia. A seguir, atravesse a adjacente Tower Bridge – ela própria uma das mais impressionantes estruturas da cidade – e, se ainda tiver energia, caminhe mais uns 45 minutos até ao London Eye (em alternativa apanhe o autocarro) e compre bilhete para um dos voos da roda-gigante que oferece uma vista única sobre a cidade.

Se não for grande fã de rodas-gigantes e se acredita que os cerca de 25 euros de bilhete são mais bem empregues num jantar ou num copo à noite, siga directo para o The Shard, o mais alto edifício de Londres, onde pode jantar num dos seus restaurantes de topo (topo de qualidade e de altura…) e desfrutar de uma vista fantástica sobre Londres. Estes restaurantes são algo caros, por isso se quiser poupar algum dinheiro coma qualquer coisa na rua e suba depois ao The Shard (o restaurante/bar mais elevado é o Gong, no 52º andar) para um copo ao por do sol.

Pode parecer que não ao ler aqui, mas por esta hora já caminhou e viu muitas coisas. Desfrute da vista e, a não ser que ainda tenha muita energia para gastar, dê o dia por terminado. Amanhã ainda é dia!

Domingo / segundo dia

No Domingo, especialmente se for primavera ou verão, não deixe de passar algum tempo num dos muitos parques da cidade. Nos dias de bom tempo há sempre muitas gente a aproveitar o sol e muitas actividades. Comece o dia com uma visita ao Tate Modern, a galeria de arte moderna de Inglaterra e que está aberta todos os dias, a partir das 10h00. A não ser que haja alguma exposição especial, a entrada é gratuita. Fica no Southwark, junto à Millennium Bridge, uma ponte pedonal que liga o Bankside à City de Londres.

Quando sair, procure um supermercado ou mercado de rua e compre algumas coisas para fazer um pick-nic num dos parques da cidade. Sugiro o St. James Park, que fica a uns 30 minutos a pé do Tate Modern.

Siga o exemplo dos londrinos e deixe-se relaxar enquanto aproveita o sol. A seguir, ou se o tempo não estiver convidativo, aproveite para ver (ou visitar, se estiver aberto ao público) o Palácio de Buckingham, que fica entre este parque, o Green Park e os Buckingham Palace Gardens.

Para jantar, procure a The Market Tavern, a 5 minutos a pé do palácio, na Shepherd Street, onde pode fazer uma refeição relativamente barata acompanhada por uma das muitas cervejas disponíveis, com menus a partir de 5 libras (snacks).

Se ainda tiver energia e não for muito tarde, desça em direcção ao Tamisa e caminhe um pouco na Millbank, até ao Palácio de Westminster. Se estiver bom tempo, deve ver muita gente a caminhar junto ao rio.

Segunda-feira / terceiro dia

Comece o dia com uma curta viagem de 3km de barco, de Little Venice, uma zona residencial muito bonita, com os seus barcos coloridos, até ao Zoo de Londres – o mais antigo jardim zoológico científico do mundo, no Regent’s Park. O bilhete custa perto de 30 euros, mas vale a pena visitar este zoológico histórico. A não ser que veja o zoo a fazer jogging, vai demorar pelo menos o resto da manhã. Quando sair, vá até ao Camden Market (15 minutos a pé) – um dos mais conhecidos mercados de Londres onde pode, para além de fazer uma refeição económica, encontrar desde peças de roupa vintage, discos de vinil, antiguidades e muito mais.

De tarde, atravesse de novo o Regent’s Park (são só 30 minutos a pé) e entre no Madame Tussauds, o museu de cera que é também uma das principais atracções turísticas cidade – tão célebre que tem várias “filiais” espalhadas pelo mundo.

Se for fã dos livros de detectives Sir Arthur Conan Doyle, entre ainda no Sherlock Holmes Museum, na Baker Street, a menos de 5 minutos a pé do Tussauds. O bilhete custa 15 libras (mais ou menos 20 euros, conforme o câmbio).

Mesmo que viaje sozinho ou com amigos, não deixe de assistir a um dos muitos musicais de Londres. Sugiro o Wicked, no Apollo Victoria Theatre, uma paródia que busca inspiração à história do Feiticeiro de Oz.

Antes do musical, procure um restaurante que ofereça refeições pré-teatro – não só consegue jantar a tempo de estar no teatro antes das 19h30, como normalmente é-lhe oferecido desconto se tiver bilhete para um espectáculo. Sugiro a Opera Tavern, uma casa de tapas na Catherine Street, onde pode petiscar por pouco mais de 5 euros ou fazer uma refeição completa por cerca de 20. Fica a 1km do Apollo Victoria Theatre, no Covent Garden.

Terça-feira / quarto dia

Não deixe para amanhã as compras de última hora que pode fazer hoje. Comece o dia com um salto ao Oxford Circus, a mais movimentada zona comercial da Europa, e aproveite para fazer algumas compras. De certeza que, com as mais de 300 lojas que encontra na Oxford Street, na Regent Street e nas muitas ruas secundárias comerciais, vai encontrar o que procura. Só não se distraia, senão acaba por não conseguir fazer mais nada neste dia. Quando apertar a fome, procure um fish and ships ou outro restaurante ou banca de comida rápida, para não perder tempo. Depois de almoço, visite o Palácio de Westmisnter, a uns 20 minutos a pé da Regent Street, e faça uma visita guiada ao palácio, que é sede do Parlamento Britânico. O custo da visita é de 25£ para adulto mas, se não quiser gastar dinheiro, pode sempre ver por fora e as áreas abertas ao público, que vale na mesma a pena. Procure a famosa Torre do Relógio (agora chamada oficialmente Elisabeth Tower) e espere pelo toque do Big Ben na mudança da hora. Visite ainda a Abadia de Westminster, mesmo ali ao lado, do outro lado da Abingdon Street – a mais importante igreja de Londres e de Inglaterra, onde são coroados os monarcas britânicos.

À noite, no Covent Garden, procure para jantar o The Lamb and Flag, um dos mais antigos e carismáticos pubs de Londres, onde para além de refeições relativamente económicas (10 a 15 euros), encontra uma grande variedade de cervejas e whiskies.

Se não sair muito tarde, dê ainda uma volta pelo Covent Garden antes de regressar ao hotel.

Quarta-feira / quinto dia

Se o seu voo for da parte da tarde e não se importar de andar de malas às costas ou de regressar ao hotel para as buscar, visite ainda o Greenwich Market, dicado às artes, antiguidade e artesanato. É um dos mais carismáticos mercados de Londres, e está instalado numa estrutura classificada como Património da Humanidade.