🐪 » 7 dias em Marrocos 430 euros desde Marrakech até ao Deserto do Saara através do Marrocos.com « 🐪

🌍 Visitar Londres: Dicas, Roteiros, Monumentos, Mapas, Fotos

Actualizado em 28 Junho, 2016

Quer visitar Londres?

Visitar Londres: Dicas, Roteiros, Monumentos, Mapas, Fotos

Visitar Londres: Dicas, Roteiros, Monumentos, Mapas, Fotos

Há muito – mesmo muito – para ver e fazer em Londres – LONDON. A não ser que tire umas férias mais prolongadas, vai ser difícil fazer tudo, mas vou ajudá-lo a aproveitar ao máximo esta cidade em função da sua disponibilidade.

Para já, fica uma lista bem completa de tudo o que pode ver e fazer para visitar Londres.

Para sugestões de roteiro em função da sua viagem – visita-relâmpago a Londres, escapadinha a dois, cinco dias em Londres e excursões de um dia fora da cidade – clique aqui.

O conteúdo desta página - ÍNDICE:
Ponte do Milénio em Londres

Ponte do Milénio em Londres

  1. Londres, a não perder: O que ver e fazer
    • Os Guardas da Rainha
    • Teatros e Musicais
    • Cinema
    • Museus
    • Monumentos
    • Ir às Compras
  2. Eventos Anuais, mês-a-mês
  3. Visitar Londres: Roteiros e sugestões
    • Londres: Escapadinhas Românticas
    • Fim-de-semana em Londres
    • 5 dias em Londres
    • 1 semana em Londres
  4. Londres: Comer & Beber
    • Pubs, tavernas, restaurantes e mercados
    • Onde comer: restaurantes e mercados
    • Restaurantes e cafés económicos

1-Londres, a não perder: O que ver e fazer

Os guardas da rainha

Guia de Londres

Guia de Londres

Conhece aqueles guardas de casaco vermelho e chapéu preto alto, com pelo? São os guardas da rainha e estão divididos em soldados de infantaria e de cavalaria, os que pode ver montados a cavalo. São eles que guardam as casas (ou melhor, palácios!) da rainha – ou as chamadas residências oficiais da realeza. Mesmo com o passar dos anos mantêm os rituais da troca de guarda e usam os mesmos uniformes, mantendo a tradição britânica desde 1660.
 
Têm um inconfundível chapéu preto, muito alto, que se chama de bearskin. À vestimenta acrescentam calças pretas, casaco vermelho e umas luvas brancas, que lhe dão um aspecto muito clean.
 
Os soldados que fazem a guarda da rainha podem dividir-se em dois: Queen’s Guard e os Queen’s Life Guard. Os Queen’s Guard fazem a segurança dos Palácio de St James, Buckingham, Windsor e Torre de Londres.

Render da Guarda Palácio de Buckingham

 
São precisamente os Queen’s Guard e os Queen’s Life Guard que protagonizam o momento de troca de guarda no Palácio de Buckingham, que é uma das maiores atracções turísticas de Londres. Acontece na entrada oficial do palácio Buckingham.
 
Os Old Queen’s Guards, a pé, entregam as chaves do palácio aos New Queen’s Guard, enquanto fazem uma volta bem coordenada e coreografada. Costuma acontecer por volta das 11h30 (vá mais cedo para não perder nada – às vezes podem começar uns minutos mais cedo), de Maio a Julho, e nos outros meses em dia sim dia não. Ao domingo é às 10h.
 
Os soldados saem do palácio de St James, desfilando no Mall, (avenida que separa os dois palácios e onde estão hasteadas bandeiras do Reino Unido) em direcção ao palácio de Buckingham. Uns saem, são substituídos, e outros entram. Isto com música a acompanhar todo um processo coordenado e coreografado. É bonito de se ver! Pelo menos uma vez na vida!
 
A música não tem de ser necessariamente associada a marchas militares, pelo contrário. Pode ser relativa a sucessos dos Beatles ou a musicais conhecidos e que estejam em cena nos teatros londrinos. Por isso, este render da guarda – que dura mais ou menos meia hora – é tudo menos monótono.
 
Pode assistir a várias trocas de guarda: A do palácio de Buckingham, a de Horse Guards Arch e a do Castelo de Windsor. Esta última começa às 10h40 (de segunda a sábado de Abril a fim de Julho; e em dias alternados durante o resto do ano), com desfile de soldados a pé e música a acompanhar.

A troca de guardas na Horse Guards Arch é menos conhecida mas também acontece diariamente, às 11h e às 10h ao domingo, e dura cerca de meia hora. Normalmente conta com soldados da cavalaria passando o arco. Quando está a chover muito não se faz o render da guarda com cavalos.
 
Uma vez que os horários do render da guarda estão sujeitos à agenda do exército, o melhor é verificar nos sites dos locais se se mantêm os horários habituais ou se foram alterados. Senão arrisca-se a estar à espera do render da guarda e nada vai acontecer, perdendo o seu precioso tempo.
 
No palácio de Buckingham é fácil saber quando a rainha está ou não. Se a monarca estiver em “casa” estarão quatro guardas junto às portas do edifício. Se ela não estiver, são colocados apenas dois guardas. Existe render de guarda em vários outros edifícios históricos, mas não são tão icónicos como os dos palácios de Buckingham e Windsor.

Teatro e musicais

Guia de Londres

Guia de Londres

Musicais em Londres é como areia na praia e, ir a Londres e não assistir a um musical, é como ir a Roma e não ver o papa!

Uns são melhores ou mais populares do que outros. Neste caso deve optar pela sua preferência pessoal. Pode escolher um mais divertido, outro mais romântico, ou ainda um mais vocacionado para o público infantil, se se fizer acompanhar por crianças. O West End é o local londrino onde estão concentrados a maior parte dos espectáculos musicais, assim como em Nova Iorque estes estão na Broadway.

Veja a lista que preparei para si:

Les Misérables

Entre os musicais que estão há mais anos em palco, encontra Les Misérables no Queens Theatre. A história é baseada no romance de Victor Hugo, de 1862, e foi adaptada a um musical com tema original. O tema centra-se nas lutas do povo – pobre e esquecido – até à luta na Revolução Francesa. Pelo meio, histórias de amor preenchem o drama musical.
 

O Fantasma da Ópera

Foi em 1986 que o musical O Fantasma da Ópera (The Phantom of the Opera) teve a sua estreia mundial em Londres. A trágica história de amor da cantora de ópera e do compositor que vive escondido, com vergonha das suas deformações físicas, conta com composição de Andrew Lloyd Webber e é um sucesso mundial. Pode assistir, de segunda-feira a Sábado às 19h30 no Her Majesty’s Theatre. Às quintas e Sábados tem sessão extra às 14h30.
 

O Rei Leão (The Lion King)

É um dos musicais mais vistos em todo o mundo, com base no filme de animação estreado em 1994. Bom para todas as idades, com música e letra de Tim Rice e Elton John, é a escolha certa para quem se faz acompanhar por crianças. O Rei Leão pode ser visto no Lyceum Theater.
 

Miss Saigon

Inspirado na ópera Madame Butterfly de Puccini, a acção centra-se no rebentar da guerra do Vietname. Conta a história de dois amantes, um soldado americano e uma empregada de bar vietnamita, que são separados na sequência da queda de Saigão perante o avanço do exército comunista. É um dos mais aclamados musicais da actualidade, tendo sido recentemente nomeado para um prémio Olivier na categoria de Best Musical Revival. Quando em exibição na Brodway, venceu vários Tony Awards. O espectáculo pode ser visto no Prince Edward Theatre.
 

Mamma Mia!

É uma comédia romântica feita a partir dos êxitos musicais dos Abba. Um espectáculo para todas as idades a recordar os sucessos dos anos 80. A maior parte das pessoas já conhece a história, por causa do filme que passou nos cinemas há alguns anos mas, para quem não conhece, a acção centra-se numa ilha grega, onde uma noiva procura no seu casamento o seu verdadeiro pai. Pode ser visto no Novello Theatre.
 

Wicked

É no Apollo Victoria Theatre, em Londres, que pode assistir ao musical Wicked – The Untold Story of the Witches of Oz. É uma espécie de paródia do filme de 1939 “O Mágico de OZ” e é inspirado na obra “Wicked: The Life and Times of the Wicked Witch of the West” de Gregory Maguire, por sua vez uma recriação do filme e do livro de L. Frank Baum que lhe serviu de inspiração.
 

Billy Elliot

Era uma vez um menino que não queria praticar boxe, como o pai desejava, e preferia ir a aulas de ballet. Billy Elliot é baseado no filme do mesmo nome de 2000. Está em palco no West End desde 2005, com tema musical de Elton John. Pode ser visto no Victoria Palace Theatre. 
 

The Commitments

Em cena até Setembro deste ano (2015) no Palace Theatre, no West End em Londres, este musical bebe inspiração no filme do mesmo nome de 1991 e que conta a história de uma banda que, com muito empenho e trabalho, levou a magia do Soul a Dublin, na Irlanda. Uma comédia com muita música e muita alma. 
 

Kinky Boots

Em cena no Adelphi Theatre a partir de Agosto (2015), conta a história de uma amizade improvável entre o herdeiro de uma indústria de calçado em crise e um drag queen de Londres. Inspirado no sucesso de bilheteira dos cinemas de 2005.
 

Lord of the Dance

Certamente já ouviu falar neste espectáculo irlandês de dança e música. Este espectáculo único foi apresentado pela primeira vez em 1996 e a edição deste ano Lord of the Dance: Dangerous Games está em cena no Dominion Theatre até 6 de Setembro.

No entanto a vida cultural nocturna não se faz só de teatros e musicais. Há muitos outros espectáculos e concertos, procure informações sobre a agenda cultural no período da sua visita. Numa das minhas últimas viagens a Londres assisti a um concerto fantástico de música electrónica ambiente dos Shpongle na Roundhouse. Veja aqui.  
  

Cinema em Londres

Guia de Londres

Guia de Londres

Londres não é Hollywood, mas sendo uma cidade igualmente muito ligada ao entretenimento, são muito badalados os eventos cinematográficos que lá decorrem. Geralmente, se vir muita gente aos berros em Leicester Square, quer dizer que há algum evento ou estreia com a presença de nomes conhecidos do cinema, a passar no tapete vermelho.
 
A sala do Odeon em Leicester Square é mesmo considerada a melhor sala de cinema de Londres, onde são feitas as maiores apresentações. Outra sala muito badalada é a Vue. A Odeon é das salas mais completas que existem e, por isso mesmo, recebe muitas das estreias de cinema mais aguardadas. Deve reservar os bilhetes para filmes que vão estrear daqui por algumas semanas.
 
O cinema continua a ser um passatempo muito popular entre os londrinos, apesar do fenómeno dos downloads de filmes ilegais e do aluguer fácil, através da internet, em casa.. Em Londres, os cinemas continuam a ter sempre muita gente e continua a ser um programa para qualquer hora do dia, com amigos ou família.
 
Por sua vez, as salas de cinema também se esforçam para manter os espectadores. Nos Odeon Cinemas, por exemplo, são frequentemente sorteadas desde entradas para estreias até a uma viagem para Los Angeles a quem adquirir bilhete, por exemplo.
 
Uma boa parte dos cinemas também estabelece parcerias com restaurantes e outros espaços comerciais, que oferecem descontos a quem apresentar o cartão das salas que podem chegar aos 30% em restaurantes.
 
Londres é uma capital de inovação, na indústria do cinema. Foi nos cinemas Odeon de Leicester Square que foi exibido o primeiro filme digital da Europa, em 1999. O cinema foi construído em 1937 – sendo também um local histórico – e pode albergar quase 1700 pessoas.
 
O Empire, situado em Leicester Square, é um amplo cinema londrino. Foi construído em 1884 para ser usado como teatro e, ao longo dos tempos, foi sendo readaptado e modernizado para exibir filmes, desde 1928. Junto ao edifício também existe um casino do Empire. Tem várias salas e uma delas consegue receber mais de 1300 pessoas.
 
Obviamente que os preços, nos cinemas Odeon, são mais caros mas também a experiência é fora do comum. O custo do bilhete ronda 9£ para adulto, ou menos se não for à noite ou ao fim-de-semana, mas uma sala IMAX pode chegar quase às 18£. Noutros cinemas como os Empire Cinemas (de Leicester Square) o bilhete pode custar perto de 10£.
 
Os cinemas Vue têm bilhetes a pouco mais de 8£, sendo um dos mais económicos. O de Leicester Square, tem nove salas de visionamento e três apetrechadas com telas 3D.
 
O cinema Prince Charles, em Leicester Square, tem dos bilhetes mais baratos – a partir das 4£ – assim como na zona Este, o Roxy Bar and Screen apresenta filmes com entrada gratuita em certos dias – com exibição de filmes antigos ou retrospectivas temáticas.

Museus em Londres

Guia de Londres

Guia de Londres

Dos inúmeros museus de Londres, destacam-se três, considerados os mais relevantes desta cidade: o Museu Britânico (British Museum), o Museu de História Natural (Natural History Museum) e o Museu da Ciência (Science Museum). Em qualquer um deles precisaria de vários dias (há quem entenda que levaria meses meses!) para ficar a conhecer tudo o que têm exposto. 
É essencial: programe bem a sua visita, para poder aproveitar ao máximo. São museus muito grandes e mesmo que veja tudo a correr, vai ficar completamente esgotado ao final do dia. No entanto, além destes três maiores museus existem muitos outros que merecem uma visita em Londres. Veja a lista que preparei para si. 

British Museum

É um dos museus mais antigos do mundo e um dos mais visitados, chegando a receber mais de seis milhões de visitantes em um ano. O seu acervo conta com mais de 8 milhões de peças provenientes de todo o mundo que ilustram a evolução da civilização, desde os seus períodos mais remotos. O Museu Britânico abriu portas ao público pela primeira vez em 1759 e tem a honra de ser o primeiro museu do mundo com carácter secular, nacional, público e gratuito. Foi criado, na sua fase inicial, a partir do espólio do médico e antiquário Sir Hans Sloane (falecido, anos antes, em 1753) e da colecção de manuscritos medievais do Conde de Oxford, Robert Harley. Ao longo dos anos foram acrescentadas peças e tesouros oriundos de todo o mundo e representando a história humana conhecida, desde a pré-história, ao Antigo Egipto, à Civilização Helénica ou ao período das Descobertas.

No entanto, a recolha de artefactos provenientes de todo o mundo não foi feita sem, por vezes, ignorar e ferir as sensibilidades locais e nacionais e, desde 1980, o Museu Britânico vem sendo envolvido numa disputa entre os governos do Reino Unido e da Grécia, que exige a devolução dos mármores de Elgin, um conjunto de peças em mármore que foram removidas em 1806 do Pártenon pelo embaixador britânico no Império Otomano, Thomas Bruce.

Está aberto todos os dias das 10h às 17h30, e à sexta-feira fica aberto até às 20h30. Entrada grátis.
 

Natural History Museum

Neste museu, de entrada gratuita, encontra mais de 80 milhões de espécimes e itens ligados à vida na Terra, muitos de deles de espécies já extintas.
É célebre pelas suas colecções de ossadas e esqueletos completos de dinossauros, dos quais se destaca o esqueleto de Diplodocus que domina o seu hall central. A sua arquitectura muito elaborada faz com que seja apelidado de Catedral da Natureza (ou Cathedral of Nature). Não admira que consiga atrair mais de quatro milhões de visitantes por ano.

O museu foi inaugurado em 1881 e está dividido em cinco colecções principais: zoologia, paleontologia, botânica, mineralogia e entomologia (a ciência que estuda os insectos). Charles Darwin e Joseph Banks, mais conhecido por ser o botânico do Capitão Cook, foram os responsáveis pela recolha de muitas das espécies que hoje aqui encontrámos.

Entre muitas outras coisas, possui um simulador de sismos, explica o ciclo da água, mostra meteoritos e simula uma viagem pelo globo terrestre. Os mais novos costumam adorar este museu. Está aberto todos os dias das 10h às 17h50 (última entrada às 17h30) e na última sexta-feira do mês fica aberto até às 22h30. 

Science Museum

É um museu interactivo que explica a ciência e o seu desenvolvimento ao longo dos séculos. Neste museu encontra referências à Revolução Industrial inglesa, às máquinas a vapor, até aos primeiros avanços da aeronáutica. Os temas científicos são também abordados num simulador com projecção de filmes. O Museu da Ciência de Londres ocupa sete andares e está aberto todos os dias das 10h às 18h (última entrada às 17h15). A entrada é gratuita, mas algumas exibições temporárias podem cobrar uma taxa de admissão. Tem perto de três milhões de visitantes, anualmente. 

Victoria and Albert Museum

Exposições de arte, com pinturas, esculturas e gravuras, mas também de moda, joalharia e têxteis. Com peças de tesouros de vários cantos do mundo, o Museu Vitória e Alberto alberga mais de 4,5 milhões de objectos. Surgiu em 1852 e mostra artigos artísticos e de design com 5.000 anos de história. Está aberto todos os dias das 10h às 17h45 e à sexta-feira alarga o horário para das 10h às 22h. Entrada grátis.
 

Museum of London

Se há museu que conta a história de Londres é este. Desde os tempos remotos, da pré-história, até aos dias de hoje. Uma das maiores atracções é o modelo que recria o grande incêndio de 1666. O espaço foi inaugurado em 1976 e tem variadas colecções desde os tempos pré-históricos, romanos, da governação dos Tudor e Stuart, passando por roupas de diferentes épocas, fotografias antigas, pinturas e outras obras de arte que marcaram certas épocas. Está aberto todos os dias das 10h às 18h, com entrada livre. 

National Maritime Museum

Localizado em Greenwich, em Londres, é o maior museu marítimo do mundo. Uma das principais atracções é o simulador do naufrágio do Titanic, outra é a da reconstituição da batalha de Trafalgar, em 1805. Possui ainda muitos retratos de homens celebrizados pela sua carreira ligada à navegação, como James Cook, entre outros. O Museu Nacional da Marinha inaugurado em 1937 pela mão do rei George VI e está aberto todos os dias das 10h às 17h (última entrada às 16h30). Às quintas-feiras encerra mais tarde, às 20h, com a última entrada marcada para as 19h30. A entrada é gratuita, podendo haver exposições com entrada paga. 

Imperial War Museum

Aqui pode observar desde aviões de guerra pendurados no tecto a submarinos prontos a serem descobertos. Retrata a vida nas trincheiras e nos abrigos das casas, durante as guerras mundiais. No Museu Imperial de Guerra, inaugurado em 1917, existe desde 2000 uma exposição sobre o Holocausto, onde seis milhões de judeus foram mortos às mãos dos nazis. O museu encerrou em 2 de Janeiro de 2013 para obras de beneficiação. Reabriu em Julho de 2014, com uma nova exposição sobre espiões de guerra. Está aberto todos os dias das 10h às 17h (última entrada às 16h30). A entrada é gratuita. 

Design Museum

Ao lado da Tower Bridge, está o Design Museum. No interior encontra exposições sobre design dos séculos XX e XXI, em diversas áreas como moda, arquitectura, decoração, design gráfico, automobilismo, entre outras. O Museu do Design está aberto todos os dias das 10h às 17h45 (última entrada às 17h15). Bilhetes: 11,85£/adulto. 
 

London’s Transport Museum

Os transportes londrinos foram pioneiros em diversas áreas. No Museu dos Transportes de Londres pode observar exposições com fotografias e cartazes que mostram os primeiros autocarros e metro da cidade assim como, recuando um pouco mais no tempo, as carruagens a cavalo que circularam na capital até ao início do século XX. O museu está instalado num edifício em aço e vidro, que fazia parte do antigo mercado de frescos de Covent Garden. Está aberto de segunda a quinta e sábado e domingo das 10h às 18h  e à sexta-feira das 11h às 18h (última entrada às 17h15). Bilhetes: £15 (individual); £9,50 (grupos). 

Sir John Soane’s Museum

O nome deste museu vem do arquitecto que viveu nesta casa: Sir John Soane. Virou museu no início do século XIX (1837) e exibe pinturas, esculturas, objectos, mobiliário e desenhos da época. Está aberto de terça-feira a sábado, das 10h às 17h (última entrada às 16h30). Entrada grátis. 

Museum of London Docklands

Existe desde 2003 e conta a história do rio Tamisa e das Docklands. Fazem parte do museu arquivos que pertencem ao porto de Londres. Nesses documentos antigos – em fotografias, quadros e filmes – pode ver-se a evolução da cidade junto das margens do rio Tamisa, desde tempos antigos até aos dias de hoje. Este museu está aberto todos os dias das 10h às 18h (começa a fechar às 17h40). Entrada grátis.

Tate Gallery

É o museu de arte moderna do Reino Unido, com quatro galerias no país, duas em Londres, outra em Cornwall e uma Liverpool. A Tate Britain é a mais antiga das quatro galerias e o centro da arte britânica desde o século XVI – encontra-a junto ao Tamisa, entre as pontes Lambeth e Vauxhall no burough de Pimlico. A Tate Modern, mesmo junto à Millennium Bridge, é um grande centro internacional de arte moderna e contemporânea. Se fizer uma viagem mais alargada ao Reino Unido pode ainda visitar a Tate St. Ives, mesmo junto à praia de Porthmeor, em Cornwall e, no noroeste de Inglaterra, o Tate Liverpool, nas docas.

Monumentos em Londres

Guia de Londres

Guia de Londres

Não perca ainda os principais monumentos e marcos históricos em Londres.

Há mesmo muitos locais para visitar Londres. Quando você chegar lá vai aperceber-se do tamanho da cidade.

Torre de Londres

Situada nas margens do Tamisa, a Torre de Londres, ou simplesmente The Tower, começou a ser construída em 1078 por Guilherme, o Conquistador. Nos dias actuais guarda a colecção de jóias da coroa britânica, uma colecção de valor incalculável, não só pelo seu valor material mas também histórico e, ainda – desconhecido por uma grande parte dos visitantes – uma colónia de seis corvos protegida por decreto real e que, segundo a crença popular, protegem a Torre e a Coroa Britânia.

Torre de Londres

“If the Tower of London ravens are lost or fly away, the Crown will fall and Britain with it” – “Se os corvos da Torre de Londres forem perdidos ou voarem embora, a Coroa cairá e a Bretanha com ela”, diz a superstição popular, tal é a importância destes animais para os britânicos.

Tower Bridge

A Tower Bridge, uma ponte báscula sobre o rio Tamisa, está localizada junto à Torre de Londres e é um dos edifícios mais emblemáticos da cidade. Tem, ainda hoje, uma grande importância para o trânsito Londrino, integrando uma circular interna de Londres. A sua construção iniciou-se em 1886 e foi aberta ao público em 30 de Junho de 1894. Tem 244 metros de comprimento, uma altura máxima de 42 metros e é atravessada por mais de 100 mil veículos por dia.

Palácio de Westminster e o Big Ben

O Palácio de Westminster, também conhecido como Casas do Parlamento, ou apenas de Westminster, é onde as duas Câmaras do Parlamento do Reino Unido (a Câmara dos Lordes e a Câmara dos Comuns) realizam as suas sessões. É o lugar onde as leis que regem a vida britânica são debatidas e aprovadas. A sua estrutura actual data maioritariamente do século XIX, mas possui alguns remanescentes do seu período medieval.

Palácio de Westminster e o Big Ben

Apesar de muitas pessoas julgarem que o “Big Ben” se refere à Torre do Relógio do Palácio de Westminster, O Big Ben é, na verdade, o sino que está instalado nesta torre e que deve o seu nome a Sir Benjamin Hall, ministro das obras públicas responsável pela instalação do sino em 1859 e que era apelidado de “Big Ben” por ser um homem volumoso. Já a torre em si era, até 2012, conhecida simplesmente como Clock Tower. Em 2012, para celebrar o jubileu de 60 anos de coroação da Rainha Isabel II, passou a ser oficialmente conhecida como Elizabeth Tower.

Das muitas galerias e museus de arte não deixe de visitar o British Museum, considerado um dos melhores museus do mundo. Aqui pode

British Museum

Observar peças históricas como a Pedra de Roseta, coberta com hieróglifos (um tipo de escrita) egípcios e que foi crucial para a compreensão de períodos antigos da cultura deste povo.

Palácio de Buckingham

Localizado em Westminster, é a casa oficial Família Real da Inglaterra e Reino Unido. É palco para muitas cerimónias de Estado e celebrações ligadas à Coroa britânica. É no lado nascente do Palácio de Buckingham que se situa a icónica varanda de onde a Família Real saúda frequentemente os súbditos britânicos.

Palácio de Buckingham

O palácio está aberto ao público no Verão, este ano (2015) entre 1 de Agosto e 27 de Setembro. Se pretender visitar o palácio reserve os seus bilhetes com antecedência, uma vez que tendem a esgotar muito depressa.

Catedral de São Paulo

Ao visitar Londres não pode perder a magnífica Catedral de São Paulo. A cúpula da catedral é a segunda maior do mundo, depois da de São Pedro, em Roma. A primeira catedral foi construída em 604 dC mas foi destruída num incêndio em 675. A catedral foi então reconstruída e novamente incendiada no Grande Incêndio de Londres, em 1667.

Mapa Monumentos Londres

São muitos os monumentos em Londres. Definir prioridades para conseguir visitar os melhores locais é fundamental. Estude este mapa de monumentos e melhores destinos para visitar em Londres, e aprenda um pouco da geografia da cidade.

Clique no mapa para aumentar e explorar melhor.
Mapa os monumentos em Londres

Bling! Compras, mercados locais e lojas de souvenires

Guia de Londres

Guia de Londres

Nem só de cultura se faz Londres e, para além de todas estas sugestões, há ainda muito mais a fazer: quem não aproveita Londres para fazer algumas compras, perder-se nos mercados locais e levar algumas recordações?

Lojas famosas

Em Londres há lojas para todos os bolsos, ou seja, mais caras ou mais baratas. Claro que as grandes marcas estão representadas na cidade inglesa: Louis Vuitton, Prada, Channel, Gucci, Dior, entre muitas outras. É só procurar e, sem grande esforço, vai dar de cara com as suas montras que dão bem nas vistas.

Harrods

Têm muita importância em Londres os departamentos de lojas como o Harrods, por exemplo. A ocupar quase dois hectares, o edifício tem de tudo um pouco – desde roupa a comida, podendo passar lá um dia inteiro sem sair, se quiser. Entre as marcas representadas estão nomes como Gucci, Cavalli, Marc Jacobs, Vera Wang, entre muitos outros. A Harrods fica em Brompton Road e, mesmo que não vá comprar nada, merece uma visita ao interior deste edifício com história desde 1849.

Harvey Nichols

Outro grande departamento de lojas é Harvey Nichols, onde também encontra de tudo. Fica em Knightsbridge e existe desde 1880. Tem oito andares e, além das grandes marcas de roupa, encontra também restaurantes, lojas de acessórios e artigos de decoração.

Fortnun & Mason

Como vê, estes departamentos de lojas são coisa já antiga em Londres. Veja este de 1707! Situado em Piccadilly, a Fortnum & Mason é dos locais que reúne mais coisas chiques, ideal para o planeamento de um evento mais glamoroso. Desde o serviço de chá, ao bolos de casamento, perfumes, acessórios, artigos gourmet, ideias originais para presentes e tudo o que é preciso para um piquenique romântico.

Fenwick

Outra loja antiga em Londres é a Fenwick Bond Street. Existe desde 1891 e tem cinco andares de cosméticos, acessórios e roupas para mulher e homem. Tem ainda um café para poder descansar das compras.

Selfridges

O Selfridges, desde 1909, é um dos departamentos de lojas mais tradicionais em Londres. Está até a passar, na televisão, uma série televisiva sobre a vida do homem que fundou este império: o senhor Selfridge. Vende roupas para toda a família, decoração e roupas de marca como Alexander McQueen, D&G, Prada, Viviane Westwood, Michael Kors, entre muitas outras.

Liberty

A Liberty também está entre as lojas famosas de Londres, cujo charme começa logo com a arquitectura do edifício onde está instalada. A fachada ao estilo Tudor, com detalhes em madeira, convida a entrar e descobrir um mundo de propostas para quem gosta de objectos de decoração, mas também acessórios e roupas. Representa inúmeras marcas de designer e aí pode encontrar muitas souvenires para trazer consigo. Todas muito british!

Primark

Famosa pelos seus preços baixos, a Primark pode ser um desafio. Quase é preciso ter algum treino físico para fazer compras nas lojas desta grande cadeia de retalho. Primeiro, porque as lojas desta marca são enormes e, depois, porque têm sempre tanta gente que é inevitável andar para trás e para a frente à procura do que se quer.
A melhor hora para ir à Primark é de manhã bem cedo, quando a loja ainda está arrumada e tudo está no sítio correcto. Vai encontrar sempre uma grande confusão de gente, mas a relação qualidade-preço é imbatível e é, por isso, que a Primark está sempre – sim, sempre – cheia. Também com preços baixos e famosa é a TK Maxx que vende produtos de marcas a preços baixos, do género outlet.

Apple

Gosta de maçãs? Se é entusiasta de tudo o que é novidade tecnológica, em particular da famosa marca da maça, saiba que em Londres está instalada uma das maiores lojas do mundo da Apple, aberta desde 2010. Fica em Covent Garden, na esquina com James Street, e tem tudo da marca num edifício com uma arquitectura muito moderna.

Burberry

A Burberry pode ter lojas em todo o mundo, mas a de Londres destaca-se. Aberta desde 2012, é a maior loja da marca no mundo inteiro. O edifício de quatro andares, com 200 anos de história, fica em Regent Street e tem uma área de 2.500m2.

Floris

Se gosta de locais tradicionais, então a Floris é um poço de história. Existe desde 1730 e é uma das mais antigas perfumarias de Londres (com fragrâncias para homem, mulher e também para a sua casa ficar cheirosa). Fica em Jermyn Street.

Hamleys

Em Regent Street encontra uma loja que é a perdição de miúdos e graúdos. A Hamleys é a mais antiga loja de brinquedos do mundo em funcionamento e ali pode encontrar tudo o que é brinquedo e muita bonecada de animações conhecidas como Barbie, Star Wars, Simpsons, Toy Story e muitas mais!

Mercados tradicionais

Não deixe de ir a Londres sem visitar os seus mercados tradicionais, nem que seja só mesmo para passear e ver como são. Não precisa de comprar nada. Aqui, vai experimentar uma vivência mais genuína da cidade, aproveitando para conhecer os locais e também para contactar com a diversidade cultural londrina.

Camden Market

O Camden Market é um dos mais conhecidos mercados de Londres e é justo dizer que é um dos mais conhecidos do mundo. Encontra-se de tudo neste mercado, para todos os gostos e feitios, desde discos de música, artesanato, antiguidades, acessórios a decoração, entre muitas outras coisas.

As lojas de roupas e calçado de Camden são muito procuradas por quem segue modas alternativas e vintage. É fácil encontrar aqui várias tribos: desde os punks de Londres, com cabelos pintados de rosa fúcsia, até aos góticos com as suas maquilhagens e roupas pretas.

Este mercado existe desde os anos 70 e engloba as lojas de rua, com fachadas que merecem fotografias, mas também tem uma zona com barraquinhas e uma outra – a Camden Stables Market – que ocupa os antigos estábulos de uma companhia ferroviária, onde estão quase 500 espaços com lojinhas pequenas.

Existem muitos locais em Camden Market onde pode experimentar vários pratos internacionais, com predominância dos restaurantes chineses e principalmente indianos. Como se tornou num local muito turístico, está aberto todo os dos dias do ano, excepto no dia de Natal.

Borough Market

É o mais reconhecido mercado de produtos alimentares de Londres. Aqui vai encontrar produtos alimentares frescos de todo o país. Frutas, doces, pão, vegetais, queijos e bebidas – com a cerveja em grande destaque. Pode passar por lá para comprar umas sanduíches e doces, para comer pelo caminho, que acaba por ficar mais barato do que ir a um restaurante. Além disso vive-se neste mercado um ambiente muito animado.

Brick Lane Market

É uma zona colorida, com cheiro a caril no ar e restaurantes indianos em cada esquina. Neste mercado encontra bancas de venda de roupa e de acessórios, muitos com tema vintage. As lojas estão abertas todos os dias, sendo o domingo o dia mais concorrido. Nesse dias, as famílias aproveitam o descanso para passearem e há muita gente pelas ruas à procura de pechinchas e artigos em segunda mão.

Portobello Market

Um mercado inspirador e muito conhecido. Tão conhecido que já existe noutros países com nomes similares. Existe desde 1800 e fica no bairro de Notting Hill – sim, esse mesmo, que se celebrizou com o filme com o mesmo nome, com Hugh Grant no papel principal. No mercado vai encontrar muitas peças vintage, além das lojas, como livrarias e espaços com artigos de música. Também vai encontrar barraquinhas com artesanato e antiguidades.

Broadway Market

Aqui vai encontrar à venda produtos biológicos de agricultores da região. O Broadway Market é o maior mercado coberto do sul de Londres, o que é bom porque não tem de se preocupar com o tempo. Pode estar a chover e fica na mesma confortável lá dentro. Existe desde 1936 e, aos alimentos frescos, acrescenta espaços com venda de artesanato, artigos de decoração, roupa, acessórios, música, electrónica e brinquedos, entre outros. Abre todos os dias excepto ao domingo e feriados, das 9h30 às 18h30. À quarta-feira encerra mais cedo, às 17h30.

Columbia Road Flowers

Haverá mercado mais colorido que este? Provavelmente não. O Columbia Road Flowers tem flores e plantas variadas, de todas as cores e feitios, com um cheirinho que invade o espaço. Além de lojas, também tem barraquinhas com as plantas à venda. As flores invadem a rua todos os domingos, das 8h às 13 horas, mas nos restantes encontra também lojas vintage, de mobiliário, de acessórios high fashion ou mesmo de roupa de criança.

Old Spitalfields Market

Fica a cinco minutos a pé da Liverpool Street Station. Está aberto todos os dias e em cada dia tem artigos em destaque. À quinta-feira tem artigos vintage, antiguidades e peças de coleccionismo. À sexta-feira, tem roupas e peças de arte. Na primeira e terceira sexta-feira do mês os artigos musicais estão em destaque, incluindo raros discos de vinil. Aos sábados, é escolhido um tema diferente em cada semana, como peças vintage, artesanato e peças de design. Ao domingo vendem de tudo um pouco e o mercado é muito frequentado por famílias neste dia.

Greenwich Market

O único mercado histórico de Londres instalado num lugar classificado como Património da Humanidade. Está aberto de quinta-feira a domingo, encontrando aqui muitas lojas de designer independentes e de artesanato, encontrando sempre peças únicas. À quinta e sexta-feira mostra as antiguidades, artigos para coleccionadores e artes. O fim-de-semana é sempre mais movimentado, com artigos de arte, artesanato e muitos espaços com comida. Alguns restaurantes estão abertos todos os dias da semana neste mercado coberto que pede para ser visitado.

Souvenires

Em cada rua do centro de Londres vai encontrar pelo menos uma loja com souvenirs, ou lembranças, para trazer consigo no regresso, para si ou para oferecer a alguém. Junto aos locais mais turísticos é certo que vai encontrar esses espaços onde o orgulho britânico se vai destacar, com o branco, vermelho e azul da bandeira britânica a sobressair em quase todos os artigos.

O merchandising londrino é muito diverso. E cada peça pode incluir imagens distintas das várias as atracções da cidade. Podem ter a imagem do Big Ben, do London Eye, das cabines telefónicas vermelhas, dos autocarros de dois andares, da bandeira inglesa – e esses temas todos em vários suportes: desde louça a malas, tshirts, almofadas, ímanes, canetas, isqueiros, cinzeiros, chapéus e tudo o mais que possa imaginar.

Além dos globos de neve habituais, em Londres é normal ver nos quiosques e lojas de recordações muitas chávenas a fazer lembrar o serviço da família real. Não é que vá tomar chá com a rainha, mas para quem gosta de louça tradicional esta é a prenda ideal. Outras são mais para ‘turista ver’ com as caras dos príncipes impressas. Há gostos para tudo…

Como tomar chá é algo muito tradicional e rotineiro para os ingleses, vai encontrar com facilidade conjuntos completos para comprar: a chávena, o pires, o tabuleiro, bules e as próprias colheres para deitar o açúcar e mexer o chá. Essas colheres dos souvenirs mais chiques – e que ocupam pouco espaço na mala – podem ser uma boa lembrança a trazer de Londres. São muitas vezes objectos de colecção. Existem as que têm brasões reais, ou a extremidade a imitar a coroa da Rainha, ou ainda com a imagem do Buckingham Palace ou a Tower Bridge. A que tem tido mais saída, nos últimos tempos, é a colher com a imagem de William e Kate. Sim, em Londres, saber-se e discutir-se coisas como ‘as colheres de chá com mais saída no mercado’ não é tão insólito como parece…

Continuamos a falar de chá e de como tudo o que está relacionado com a bebida se pode tornar uma boa lembrança, para si ou para oferecer a alguém. Existem também as caixinhas de metal com o chá preto, que é o mais bebido em Inglaterra. Tem caixinhas com elementos de decoração tradicional maiores e outras mais pequenas – e que ocupam pouco espaço na sua mala – em latas que são miniaturas das cabinas telefónicas ou dos marcos de correio, ambas vermelhas.

As Tea Towels têm diversos desenhos com motivos britânicos. São toalhas pequenas, usadas precisamente no serviço do chá das 5 (ou a outra hora qualquer), com os monumentos mais importantes ou com imagens dos pubs londrinos impressos no tecido. As chamadas tea towels servem para tapar os bules do chá para que a bebida não arrefeça tão rapidamente. Sim, porque para os britânicos o chá é mais do que uma bebida, é um ritual.

Os nomes das estações de metro são também muitas vezes usadas em lembranças como porta-chaves ou nos ímanes, por exemplo, ou impressas em tshirts ou malas de senhora. Além disso há canecas para tomar o pequeno-almoço, há saleiros e pimenteiros, toalhas de praia, os porta-passaportes, os baralhos de cartas e tantas outras coisas, que provavelmente vai perder algum tempo nas lojas antes de escolher alguma coisa.

Os ímanes! Esse objecto que quase toda a gente acaba por levar para casa. Todos os principais monumentos de Londres têm direito a representação em ímanes. Assim como os guardas reais, os polícias, os táxis, as cabines telefónicas e o autocarro de dois andares. Ímanes com abre cápsulas foram das melhores invenções para souvenirs. Leve uma recordação que realmente pode dar jeito.

Em algumas lojas vai ainda encontrar à venda produtos do torneio de Winbledon, assim como vai ver por todo o lado artigos com a Union Jack, nome pelo qual é conhecida a bandeira do Reino Unido (e que aparece no canto superior esquerdo das bandeiras de alguns anteriores territórios britânicos, agora parte da Commonwealth). Existe ainda toda uma gama de souvenirs “I Love London” com tudo o que pode imaginar: porta-chaves, canetas, sacos de praias, guarda-chuvas, relógios, tshirts e sweaters, e muito mais.

Além de todas estas ideias de souvenirs, existem ainda muitas peças com a imagem da Princesa Diana, que ainda têm muita saída. E por falar na família Real. Os guardas da rainha, aqueles de chapéu alto, servem de modelo para os ursinhos de peluche muitas vezes comprados para as lembranças dos mais pequenos. Há ainda carrinhos a imitar os táxis londrinos muitas vezes replicados em brinquedos para crianças.

Vídeo de Londres – London tourism – England – United Kingdom:

2-Eventos Anuais em Londres

Veja aqui se algum dos eventos anuais de Londres coincide com a sua passagem pela capital inglesa. Se sim, aproveite para se divertir ainda mais! Há eventos que se estendem por vários meses, por isso verifique bem os eventos descritos nos meses anteriores ao da sua viagem.

Eventos Anuais – mês a mês

Janeiro em Londres
Ano Novo Chinês
Entre o final do mês de Janeiro e o início de Fevereiro, celebra-se o Ano Novo Chinês na Chinatown de Londres. As ruas ficam cheias de gente e animação, celebrando a entrada do novo ano, com dragões pela rua, comida típica e artesanato. Uma festa a não perder!
Março em Londres
Oxford and Cambridge Boat Race
Durante o mês de Março decorre a competição anual de remo entre as universidades de Oxford e Cambridge. A prova tem a distância de 6,8 quilómetros no rio Tamisa e juntam-se nas suas margens mais de 250 mil pessoas a assistir e a apoiar a sua equipa (e universidade) de eleição. 
Abril em Londres
London Marathon
A maratona de Londres tem um percurso de 42,195 quilómetros, entre Greenwich Park e Westminster. Realiza-se em meados de Abril e conta com a participação de cerca de 35 mil pessoas por ano.
Maio em Londres
Chelsea Flower Show
Para este evento, que se realiza em meados de Maio, os jardins são criados de propósito para o Chelsea Flower Show. A organização é da Royal Horticultural Society e tem lugar no Royal Hospital Chelsea, onde estão expostas flores e plantas lindíssimas em jardins encantadores.  É uma exposição famosa também porque, além de centenária, recebe a visita da rainha, que é patrona da Sociedade Real de Horticultura. 
 
Royal Academy Summer Exhibition
Entre o mês de Maio e Agosto são expostas mais de 1000 obras, que são seleccionadas entre cerca de 10 mil propostas, por académicos e pelo público. Durante o certame, as obras vão estar à venda por preços mais baixos do que o normal. A exposição realiza-se na Burlington House, em Piccadilly. A primeira exposição deste género aconteceu em 1769 e tem sido realizada, todos os anos, sem excepção.
Junho em Londres
Trooping the Colour
Uma grande celebração militar britânica, com raízes no século XVII, e em cuja parada participam as diversas forças militares britânicas e da Commonwealth. Desde 1748 esta celebração festeja igualmente o aniversário do monarca britânico (independentemente da sua data de aniversário de facto). Aqui, os militares de casaco vermelho e chapéu de pelo, alto e preto, da Household Division, ganham destaque, sendo responsáveis pela escolta da rainha durante a procissão na The Mall, a avenida londrina que se estende da residência oficial do monarca (Palácio de Buckingham) à Trafalgar Square. 
 
Royal Ascot
Muito poucos eventos do Reino Unido terão mais glamour do que este. A cerca de 50km do centro de Londres, a Ascot Racecourse, na pequena cidade de Ascot, recebe o mais importante encontro de equitação, em corridas de cavalos em traçado recto, do Reino Unido. Nas corridas de cavalos, dá-se atenção a tudo, mesmo ao que pode à primeira vista não depender das corridas: os chapéus exuberantes e as roupas chiques, que fazem deste o evento mais badalado do Verão londrino. O primeiro prémio ascende a 5,5 milhões de libras (mais de 7,5 milhões de euros!). Acontece normalmente em Junho, mas a sua data pode variar. Este ano decorre de 16 a 20 de Junho. Os bilhetes mais baratos custas 4,5£ enquanto os mais caros podem ascender a mais de 1000£!
 
Wimbledon Lawn Tennis Championship
Quase dispensa apresentações o torneio de Wimbledon, o mais antigo torneio de ténis do mundo. Realiza-se entre os meses de Junho e Julho. 
Julho em Londres
BBC Promenade Concerts
Para os amantes da música, entre meados de Julho e meados de Setembro, os concertos Promenade da BBC apresentam-se todos os dias no Royal Albert Hall. Existem bilhetes a partir de £7,50. Conta com várias dezenas de artistas, que representam estilos que vão desde o erudito ou clássico ao Gospel. A não perder, para quem visitar Londres nesta altura.
Agosto em Londres
Carnaval de Notting Hill
O Samba pode não reinar neste carnaval, mas nem por isso deixa de haver muita animação (e algum samba também)! O Notting Hill Carnival dura três dias e conta com diversas bandas e DJs a garantir a animação musical de manhã à noite. As ruas enchem-se comida, dançarinos e mascarados. Começa-se no último sábado de Agosto, com uma festa para toda a família. No domingo seguinte, há cortejos pelas ruas para crianças e, na segunda-feira, o carnaval encerra em grande, sendo este o dia principal da festa. Neste ano, o segundo da comemoração dos 50 anos deste carnaval, o tema são precisamente as celebrações carnavalescas e a sua história e evolução pelo mundo e a ligação das artes carnavalescas à celebração de Notting Hill. Este Carnaval não está relacionado com o celebrado no período que antecede a Quaresma, tendo a grande vantagem – pelo menos para os mais friorentos – de, em Agosto, o tempo ser bem mais ameno do que em Fevereiro ou Março.
 
Great British Beer Festival
Quem não gosta de uma pint, ou duas, ou três? Cervejas de todos os tipos e sidras inglesas fazem parte deste festival que acontece em meados de Agosto, no London Olympia. A organização é da Campaign for Real Ale.
Novembro em Londres
Lord Mayor’s Show
No segundo sábado de Novembro, há um coche dourado que atravessa a Square Mile em grande festa. Lá dentro, segue o Mayor eleito na City de Londres. À festa juntam-se carros alegóricos e fogo-de-artifício à noite. Resumindo, uma grande festança nas ruas da cidade.
 
Noite de Guy Fawkes
Em 1605, Guy Fawkes tentou explodir o Parlamento durante a chamada “Conspiração da Pólvora”. Este momento da história londrina é celebrada, no dia 5 de Novembro, com fogueiras na cidade e fogo-de-artifício. Sabia que foi este personagem e momento histórico que inspiraram as máscaras usadas no sucesso de bilheteira “V de Vingança” ou “V for Vendetta”?
 
London Film Festival
São três semanas de sessões de filmes, nos cinemas da capital londrina, a preços reduzidos. Em Leicester Square tem, durante o período do evento, uma barraca que dá informações e programas acerca do festival. Realiza-se em Novembro.
Dezembro em Londres
Natal
It’s Christmas time! O Natal em Londres é mágico! As ruas enchem-se de luzes e mercados de natal, ganhando a cidade toda uma nova magia. É verdade que o Natal é celebrado em todo o mundo cristão mas, acredite, Londres é especial!

Ano Novo
A famosa Torre do Relógio (que abriga o ainda mais famoso Big Ben) é já por si grandiosa, não acha? Agora imagine-a integrada no fabuloso fogo-de-artifício do Ano Novo. Se passar o ano em Londres tente manter-se, pelo menos até às doze badaladas, suficientemente sóbrio (não vale a pena usar meias-palavras, afinal é passagem de ano!) para desfrutar deste espectáculo de luzes magnífico!

3-Visitar Londres: Roteiros e sugestões

Visitar uma grande cidade como Londres, que tem tanto para oferecer, pode ser uma dor de cabeça de planear.

Veja as minhas sugestões para uma escapadinha romântica a dois, fim-de-semana em Londres; Londres em 5 Dias e 7 dias com um dia fora da cidade.

Ir Passar o Fim-de-semana a Londres

Guia de Londres

Guia de Londres

Sexta-feira / primeira noite
Um pub por dia não sabe o bem que lhe fazia e, por isso, mal faça o check in (partindo do princípio que chega ao final do dia) vá directo para o Lamb and Flag. É um dos mais antigos e icónicos pubs de Londres e fica bem no Covent Garden, uma das principais zonas de animação nocturna da cidade, ideal para um petisco tardio e uma cerveja. Depois de uma pint, ou duas, ou três… dê uma volta pelo Covent Garden. Se for a Londres por altura do seu aniversário, registe-se no website do pub, para ser recebido com uma bebida de oferta.

Sábado / primeiro dia
Vamos começar pelo centro da cidade. A não ser que não seja mesmo pessoa de museus, não deixe de visitar dois dos mais importantes museus do país, o British Museum e o Natural History Museum. Estes museus são mesmo muito grandes, se for daquelas pessoas que gosta de ver tudo com tempo e atenção, se calhar é melhor ficar por um só, senão vai acabar por não ter muito mais tempo disponível.

Uma vez que os museus só abrem às 10h00 da manhã, se se levantar cedo aproveite para fazer uma caminhada matinal no Hyde Park (um dos mais famosos parques de Londres, a 500 metros do Museu de História Natural e 2km do Museu Britânico).

Depois do(s) museu(s), dê um salto até ao Brick Lane Market, em Whitechapel – um mercado de rua muito colorido e onde vai encontrar muitos restaurantes de comida indiana onde pode aproveitar para fazer uma refeição barata e saborosa. A partir do British Museum são mais de 4km de caminhada, por isso o melhor é mesmo apanhar um autocarro, se a fome já apertar.

Depois de almoço visite a Torre de Londres (London Tower), que já foi residência de reis e rainhas, prisão de figuras importantes e agora guarda a jóias da coroa (para além de uma colónia de corvos muito sui generis). São menos de 30 minutos a pé a partir do mercado, por isso aproveite para caminhar mais um pouco e ver a cidade com mais calma.

A seguir, atravesse a Tower Bridge – que é também uma das mais características estruturas de Londres. Caminhe junto ao Tamisa e visite o Tate Modern, a mais importante galeria de arte moderna de Inglaterra. Continue em direcção a Westminster e apanhe um “voo” no London Eye, uma das maiores rodas gigantes do mundo. A volta dura 30 minutos e, quanto a cabine está no ponto mais alto, pode ver todo o centro da cidade. Aproveite para levar a máquina fotográfica e registar algumas imagens únicas.

O tempo passa a voar e por esta altura já deve ser o final da tarde. Avance mais uns 3 ou 4 minutos junto ao Tamisa e atravesse a Westminster Bridge, que termina mesmo junto ao Palácio de Westminster e à sua Torre do Relógio (Clock Tower), que abriga o ainda mais famoso sino Big Ben. Se chegar no momento certo, pode ouvi-lo na mudança da hora.

Para o jantar, proponho uma das mais típicas tavernas de Londres, a apenas 2km do Palácio de Westminster, a Ye Olde Cheshire Cheese. Pelo caminho, aproveite para passar no nº. 10 da Downing Street, a residência oficial do primeiro-ministro britânico.

Depois de Jantar, tome um copo (se ainda houver vontade depois da taverna…) no Vertigo 42. Situado a quase 180 metros do solo, no prédio Torre 42 no nº 25 da Old Broad Street, oferece uma vista fabulosa da cidade de Londres. Fica a uns 7 minutos de autocarro da taverna e a pouco mais de 20 minutos a pé.

Guia de Londres

Guia de Londres

Domingo / segundo dia
Dia de fazer as malas. Para uma visita tão curta, não terá necessitado de muita coisa e, se tiver seguido os meus conselhos, terá levado somente uma mochila leve. Assim, ainda pode aproveitar bem o domingo, sem se preocupar com as malas.

Comece a manhã com uma visita ao Science Museum. A entrada é gratuita e pode observar muitas das maravilhas da imaginação humana, desde a revolução industrial aos primórdios da indústria aeronáutica (veja mais em Londres: O que ver e fazer). Depois, siga para um dos mercados de Londres, onde pode fazer umas compras de última hora e almoçar (ou então comprar alguma coisa para comer num dos muitos parques da cidade). Sugiro o Portobello Market, onde vai encontrar muitas peças vintage, além das lojas, como livrarias e espaços com artigos de música, artesanato e antiguidades.

Ir a Londres e não ver a residência oficial da rainha é como ir a Roma e não ver o Papa. Depois de almoço, vá até ao Palácio de Buckingham (uma hora de caminhada, atravessando o Hyde Park , ou cercas de 30 minutos de metro ou autocarro). Se tiver sorte, ainda vai assistir ao Render da Guarda dos Guardas da Rainha.

Londres: Escapadinhas Românticas

Londres pode ser uma cidade ideal para uma escapadinha a dois. Se há coisas que não ficarão ao alcance de todas as carteiras, também há opções muito românticas para um orçamento mais frugal. Veja as minhas propostas.

Escapadinha Romântica high end – Luxo

Antes de mais, a viagem: escolha a companhia aérea nacional portuguesa, a TAP. É considerada uma das melhores da Europa e tem voos regulares de Lisboa para Londres. Um vôo em Agosto, em classe executiva, de Lisboa a Londres – Heathrow, custa cerca de 400 EUR por pessoa com saída numa sexta-feira e regresso no Domingo, comprado com dois meses de antecedência. Se quiser poupar na viagem, mas ainda assim preferir uma companhia do nível da TAP, pode viajar por cerca de 200 EUR (100 por pessoa), em classe “BASIC”. Marque a viagem de regresso para o fim da tarde ou para a noite, para poder ainda aproveitar o último dia.

Para passar a noite, pode escolher César Ritz, um dos mais luxuosos hotéis de Londres e também um dos mais românticos. Fica bem perto do Palácio de Buckingham, quase à entrada do Green Park. O custo, perto de 900 EUR por noite (em Agosto, preços variam conforme a época do ano), não é para todas as carteiras, mas é garantido que vai fazer a sua cara metade sentir-se uma princesa ou príncipe.

Fim-de-semana Romântico em Londres – Versão Luxo
Guia de Londres

Guia de Londres

Sexta-feira / primeira noite
Já chegou ao hotel? Provavelmente quer repousar um pouco e aproveitar a primeira noite, antes de partir à aventura nas ruas de Londres. Pode jantar no restaurante do Ritz, evitando ter de sair logo depois de uma viagem. O restaurante é fabuloso, com preços a corresponder. Um jantar para duas pessoas sem grandes aventuras pode custar facilmente 200 ou 300 euros. Se depois de jantar ainda tiver energia para sair, peça para lhe chamarem um táxi e vá até ao Radio Rooftop Bar, localizado no décimo andar do edifício ME London, bem no coração do Covent Garden, e onde pode desfrutar de um cocktail enquanto aprecia a vista para a cidade.

Sábado / segundo dia
Já descansou, agora é tempo de sair do quarto de hotel (ou não…). Porque não começar o dia com um passeio de barco desde Little Venice (uma zona de canais muito pitoresca, com muitos cafés e pubs à beira-rio) até Camden? É uma forma diferente, mas muito relaxada e romântica de ficar a conhecer esta parte da cidade. Se preferir, pode sair antes de Camden, no Rgent’s Zoo, o mais antigo jardim zoológico científico do mundo. Abriu ao público em 1847 e abriga mais de 800 espécies de animais.

Se quiser ver o máximo de coisas em Londres não vai absorver nada e a escapadinha vai ter pouco de romântica. Vá com calma. Já passeou de barco com a sua cara-metade e já visitou o Zoo – agora é tempo de escolher o restaurante ideal para almoçar. A cerca de 3km da saída sul do Zoo de Londres, procure o Clos Maggiore, um oásis de tranquilidade bem no centro do Covent Garden. Com os seus espaços abertos ao ar livre, este restaurante é ainda mais agradável nos meses da primavera e verão. Os preços rondam os 40 euros por pessoa, sem grandes aventuras.

Depois de almoço visite a Catedral de São Paulo (St Paul’s Cathedral) e visite a Galeria dos Sussurros (Whispering Gallery), onde pode trocar segredos e juras de amor. Se estiver bom tempo, vá a pé. São 2km de caminhada junto ao Tamisa. Ajuda à digestão e aproveita para ver a paisagem urbana da forma mais íntima que andar a pé possibilita.

A seguir, reserve uma cabine privada no London Eye. Atravesse a pé a Tower Bridge para o Southwark mas, antes disso, não deixe de visitar a London Tower. No London Eye são cerca de 30 minutos de “viagem” em que, acompanhado pela sua cara-metade, vai poder observar todo o centro da cidade numa das maiores rodas-gigantes do mundo. Peça uma cabine com mesa e champanhe, para que este momento seja ainda mais especial. Com um custo a rondar 500 euros para uma cabine para dois, pode considerar um “vôo” partilhado, por menos de 40€.

À noite, assista a um musical. Antes disso, o jantar – pode procurar um restaurante próximo a Piccadilly, uma das zonas mais movimentadas de Londres, com bares, restaurantes e teatros. Uma boa opção é o 1001 noites (1001 Nights), em 85 Piccadilly, London. Um restaurante de comida libanesa que respira exotismo e romance por todos os poros. Preços rondam 45 euros por pessoa. Fica a menos de 5 minutos a pé do hotel Ritz, por isso pode aproveitar para se refrescar ou mesmo descansar um pouco.

Depois de jantar assista ao musical O Fantasma da Ópera (The Phantom of the Opera), no Her Majesty’s Theatre, um dos mais românticos musicais residentes em Londres. Procure reservar os bilhetes com a devida antecedência uma vez que, em particular na época alta, tendem a esgotar rapidamente.

É a sua última noite, aproveite-a bem! Depois do teatro, dê uma caminhada pelo Southbank (se ainda tiver energia para uns 4/5km, é um cenário muito romântico – em alternativa pegue um táxi) até ao The Shard, o mais alto edifício de Londres, na Tower Bridge Street. Suba até ao bar Aqua Shard, no 31º andar, e desfrute da vista para a cidade. Para maior privacidade, procure uma das mesas mais reservadas, para desfrutar com toda a intimidade de uma bebida com o seu/sua parceiro(a) na última noite em Londres.

Guia de Londres

Guia de Londres

Domingo / terceiro dia
É o seu último dia em Londres. Se for Agosto ou Setembro, quando os jardins do Palácio de Buckingham são abertos ao público, comece o dia bem cedo com um passeio pelo verde luxuriante deste parque normalmente só acessível à realeza. Em alternativa, opte pelo Hyde Park, pelo Green Park ou o St. James Park – que juntos formam uma das maiores manchas verdes da cidade de Londres. Fica bem perto do Ritz, pelo que não vai perder tempo em transportes. Depois, siga para um dos melhores restaurantes para um almoço a dois – o The Ledbury – que, com duas estrelas Michelin, garante a qualidade da melhor cozinha francesa e europeia. Os preços rondam os 250 a 300 euros por casal e fica a menos de 2km da zona Norte do Hyde Park mas, se estiver cansado, apanhe um táxi. Lembre-se que ainda têm uma viagem longa pela frente.

Depois de almoçar e se ainda tiver energia, dê um pulo até à Oxford Street, em Westminster, para umas compras de última hora. Fica a uns 5km do restaurante e pode apanhar o metro, junto ao Hyde Park, que é mais rápido. Esta é uma das ruas comerciais mais movimentadas de Londres, com muitas dezenas de lojas de roupa, souvenirs, tecnologia, e muito mais. Lembre-se que já não tem muito tempo (ainda menos se o seu voo for ao fim da tarde) e evite entrar em todo lado.

Agora, não vale arriscar: o mais tardar umas três horas antes do voo regresse ao hotel para pegar as suas malas e peça para lhe chamarem um táxi para o aeroporto. Em alternativa também pode apanhar o metro ou comboio.

Nota: normalmente o check-out do hotel deve ser feito até às 12h – peça de manhã para lhe guardarem as malas para que possa aproveitar a cidade mais à-vontade. Boa viagem!

Escapadinha Romântica económica

Não é necessário gastar muito dinheiro num fim-de-semana romântico em Londres. Há muitas coisas que pode fazer gratuitamente ou sem gastar muito dinheiro.

A começar pela viagem, pode optar por uma companhia low cost, mas também pode encontrar voos baratos em companhias tradicionais. Por exemplo, uma viagem Lisboa-Londres em Agosto, comprada com duas semanas de antecedência, fica por 165 euros por pessoa, pela Air France. No entanto, se optar pela época baixa, por exemplo Outubro, pode conseguir bilhetes a pouco mais de 50 euros em companhias como a Ryanair ou a Easyjet.

Se pretende ter um fim-de-semana inesquecível, mas o orçamento é limitado, o melhor é mesmo optar por um mês menos concorrido, como Outubro.

Não tenha ilusões, Londres é uma cidade cara e, mesmo a poupar, vai ter de gastar algum dinheiro em alojamento. Uma boa opção é o The Lord Milner Hotel, localizado numa zona calma em Westminster e relativamente perto do Palácio de Buckingham onde, em Outubro, pode conseguir uma reserva por menos de 500 euros por duas noites. Com uma decoração e mobiliário clássico e impecavelmente preservado e os seus quartos de banho em mármore, vai fazê-lo(a) sentir-se noutros tempos. Se não pode gastar este dinheiro em hotéis, ou prefere dedicá-lo a outras coisas, procure um hotel mais afastado do centro. Por optar, por exemplo, pelo Budget Croydon High Street Studios, um estúdio kitchenette em Croydon, bem mobilado e equipado, onde duas noites podem custar menos de 150 euros. Fica a mais de 15km do centro de Londres, mas com transportes públicos consegue chegar à City em menos de 30 minutos.

Fim-de-semana Romântico em Londres – Versão Low Cost / Económica
Guia de Londres

Guia de Londres

Sexta-feira / primeira noite
Se chegar ao hotel ainda com energia para fazer alguma coisa, apanhe um transporte até ao London Eye, em Westminster, e comece a sua escapadinha com uma vista panorâmica sobre o centro de Londres, de onde poderá ver muitas atracções da cidade iluminadas pelas luzes nocturnas. Os bilhetes mais simples rondam 25 euros por pessoa. Se já for tarde (às sextas e sábados encerra às 21h30, de Domingo a quinta às 21h00), vá directo para a The City, e procure a Tower 42 na Old Broad Street. Ali, suba ao Vertigo 42, o mais alto bar de londres, situado no último andar de um dos mais altos prédios de Londres. Os preços não são exagerados para este género de bares, mas há um consumo mínimo de 10 libras por pessoa. Se preferir caminhar um pouco e ver o “ambiente”, vá antes até Piccadilly Circus e dê uma olhada pelos muitos bares, restaurantes e teatros que há nesta zona – e aproveite par tirar umas ideias para o dia seguinte.

Sábado / primeiro dia
Depois de uma noite bem-passada, vamos começar por algumas coisas que não vai querer de deixar de fazer a dois em Londres. Comece por um passeio com a sua cara-metade no Richmond Park, o maior parque de Londres e a maior mancha verde urbana de todo o Reino Unido. Este parque luxurioso, inaugurado no século XVII, impressiona pela quantidade de cervos que pode ali observar, e que parecem não muito incomodados com a presença humana, desde que conserve a devida distância. O parque abre ao público das 07h30 às 20h30. Consegue pensar em melhor forma de começar o dia? Depois disso, apanhe o metro ou autocarro (South West Trains) para o centro e procure a Galeria dos Suspiros (que já mencionei no roteiro high end) na Catedral de São Paulo, onde pode trocar segredos em voz baixa, a muitos metros de distância. Se a história da humanidade vos desperta a ambos a maior curiosidade, não deixe de visitar o British Museum, um dos mais importantes e icónicos museus do mundo. Fica a 2km a pé, mas também tem transportes públicos desde a catedral até ao museu, se já estiverem cansados.

A seguir dê um salto até ao Broadway Market em Hackney, um dos mais pitorescos mercados de Londres, com muito artesanato e frescos de produtores locais. São quase 5km a pé por isso, a não ser que sejam caminhantes natos, apanhe o autocarro antes que a fome aperte. Procure uma das bancas de comida e compre qualquer coisa para comer on the go – vai poupar tempo e dinheiro, que pode gastar em muitas das lojas cheias de coisas bonitas que podem oferecer um ao outro.

Não tenha pressa. Há muito para ver em Londres, mas em dois dias não vai conseguir ver tudo – nem tampouco a maior parte – a não se que queira, em vez de romance, ter pés muito maltratados…
Depois de passar algum tempo no mercado, apanhe o metro ou autocarro para o Tate Britain, o museu de arte britânica e contemporânea do Reino Unido. Depois, aproveite para caminhar um pouco junto ao Tamisa, em direcção ao centro de Westminster. Ali, não deixe de ver as Casas do Parlamento (Palácio de Westminster). Depois de passar pelos Victoria Tower Gardens, parta em direcção ao Covent Garden. Certifique-se que faz tudo com tempo para jantar cedo, que ainda tem um musical para assistir – romance em Londres precisa de um dos muitos musicais que a cidade oferece. Se restaurantes como o Clos Magiore são demasiado dispendiosos para o seu bolso, saiba que tem muitas boas opções, mais económicas (Veja Londres: Comer e Beber). Sugiro a Opera Tavern, na zona do Covent Garden, um antigo pub agora transformado em bar de tapas e onde pode fazer uma refeição pré-teatro para dois por menos de 30 ou 40 euros. Este restaurante é muito procurado e, se não for cedo, é bem provável que tenha de esperar um bom tempo para conseguir mesa, especialmente a um sábado. Felizmente, há na zona muitas alternativas.

Depois de jantar, assista a um musical. Há muito – mesmo muito – por onde escolher. Sugiro o Fantasma da Ópera, no Her Majesty’s Theatre, ou Os Miseráveis (Les Misérables), no Queens Theatre. Ambos ficam a uns 15 minutos de caminhada. Os bilhetes mais baratos custam menos de 30 euros, mas os melhores lugares podem custar várias centenas. Os espectáculos começam ambos às 19h30, por isso certifique-se que não se demora. Se não tiver tempo para tudo, deixe algumas coisas para fazer Domingo.
Saído do musical, ainda tem tempo para tomar um copo. Procure, no Soho, a Floridita – um cocktail bar a 5 minutos a pé do Her Majesty’s Theatre – um bar que reinventa o espírito dos anos 30 de Havana, cheio de glamour e com preços bem acessíveis.

Guia de Londres

Guia de Londres

Domingo / segundo dia
Se tiver seguido os conselhos que lhe dou na página principal deste guia de Londres terá levado pouca bagagem, de preferência duas mochilas leves cada um. Desta forma, pode planear o dia sem ter de pensar em voltar ao hotel para buscar ou malas.

Não tente fazer tudo o que não fez em Londres no último dia. Se gostou até agora, vai querer voltar. Comece o dia com um “voo” no London Eye. Os bilhetes mais baratos custam pouco mais de 20 euros, mas os 30 minutos em que, no auge, tem uma vista panorâmica de todo o centro da cidade, valem a pena. Depois, apanhe o metro ou autocarro para o Columbia Road Flower Market, no East Wend, que ao Domingo se enche de cor com as inúmeras bancas de venda de flores. Compre um bouquet com as flores favoritas da sua/seu parceira/parceiro para terminar a sua escapadinha da melhor forma. Compre também algumas coisas para comer, ali ou no bem próximo Broadway Market, que possa levar consigo para um pic-nic num dos parques da cidade. Escolha o Hyde Park, é um dos melhores parques de Londres e fica perto do Palácio de Buckingham, que ainda pode ver se tiver tempo – se tiver sorte ainda vai assistir ao render da guarda. Decore a sua toalha com as flores que trouxer do mercado e aproveite a animação que, pelo menos durantes os meses de Primavera e Verão, enche os parques da cidade. Aproveite o tempo que ainda lhe resta para relaxar e lembre-se de regressar ao aeroporto com tempo. Não queira terminar o romance em Londres com um voo perdido…

5 Dias em Londres e 1 semana em Londres

Pubs, mercados, museus, monumentos, musicais e muito mais! Cinco dias passam a correr, mas já permitem ver e fazer muita coisa em Londres. Vou ajudá-lo organizar a sua semana em Londres..

Naturalmente, tudo isto são sugestões – o mais importante é que organize a sua viagem de acordo com os seus gostos pessoais. Neste roteiro, encontra dicas para visitar a cidade de Londres por zonas, para que possa em cada dia fazer (quase) tudo a pé e sem perder muito tempo a andar de um lado para o outro.

5 dias em Londres

Sexta-feira / primeira noite

Guia de Londres

Guia de Londres

Acabou de chegar, provavelmente ainda cansado do dia e da viagem. Se não tiver muita vontade de sair do hotel, não se esforce – descanse mesmo, já que vai precisar de energia para a semana que se segue. Se ainda for cedo ou tiver vontade de tomar um copo, pergunte no hotel se há algum pub ou bar agradável próximo, ou então, se estiver numa zona mais interessante dê uma caminhada, sem pressa de ver isto ou aquilo.

Sábado / primeiro dia

Uma vez que vai ficar em Londres quase uma semana inteira, pode fazer algumas das coisas que sugeri no roteiro de dois dias, com muito mais tempo e calma.

Comece pela City (a City of London, também conhecida pela Square Mile), o coração da cidade. Inicie o dia com uma caminhada curta, de pouco mais de 2km, em que vai ver algumas das principais atracções e marcos históricos da City. Primeiro, o Museum of London – aqui vai ficar a conhecer um pouco mais história turbulenta da cidade, desde o período dos romanos, até aos saxões e ao período medieval. Está instalado na rotunda que intersecta a London Wall e a Aldersgate St. e, como na maioria dos principais museus de Londres, a entrada é gratuita. Depois, caminhe uns cinco minutos na direcção do Tamisa e entre na Catedral de São Paulo, uma catedral Anglicana (Igreja de Inglaterra) que é uma das mais impressionantes do mundo – a sua cúpula é mesmo a segunda maior do mundo, só ultrapassada pela Basílica de São Pedro, no Vaticano.

A não ser que tenha andado a correr, já será hora de almoçar. Procure o Burger and Lobster, a menos de 5 minutos a pé, na Bread St. Para esta zona da cidade não é caro, podendo fazer uma refeição simples por pouco mais de 10 euros. Há na zona muitos restaurantes, pelo que pode procurar um pouco pelo que lhe interessar mais.

Depois de almoço sugiro um programa que vai certamente ajudar a queimar as calorias. Desça uns metros em direcção ao rio até à Cannon St. caminhe cerca de 1km até ao The Monument – o monumento criado em memória do Grande Incêndio de Londres. Encha-se de coragem e suba os seus 311 degraus. O bilhete custa cerca de 5 euros, mas a vista lá de cima é fabulosa. Quando recuperar o fôlego, caminhe mais uns 10 minutos em direcção à Torre de Londres. Situada nas margens do Tamisa, esta estrutura imponente foi construída no século XI por ordem de Guilherme, O Conquistados e já foi desde residência de monarcas a prisão de indesejados do reino. Actualmente guarda a jóias da coroa britânica e uma colónia de seis corvos protegida por decreto real que, segundo a crença popular, protegem a Torre e a Coroa Britânia. A seguir, atravesse a adjacente Tower Bridge – ela própria uma das mais impressionantes estruturas da cidade – e, se ainda tiver energia, caminhe mais uns 45 minutos até ao London Eye (em alternativa apanhe o autocarro) e compre bilhete para um dos voos da roda-gigante que oferece uma vista única sobre a cidade.
Se não for grande fã de rodas-gigantes e se acredita que os cerca de 25 euros de bilhete são mais bem empregues num jantar ou num copo à noite, siga directo para o The Shard, o mais alto edifício de Londres, onde pode jantar num dos seus restaurantes de topo (topo de qualidade e de altura…) e desfrutar de uma vista fantástica sobre Londres. Estes restaurantes são algo caros, por isso se quiser poupar algum dinheiro coma qualquer coisa na rua e suba depois ao The Shard (o restaurante/bar mais elevado é o Gong, no 52º andar) para um copo ao por do sol.
Pode parecer que não ao ler aqui, mas por esta hora já caminhou e viu muitas coisas. Desfrute da vista e, a não ser que ainda tenha muita energia para gastar, dê o dia por terminado. Amanhã ainda é dia!

Domingo / segundo dia

Guia de Londres

Guia de Londres

No Domingo, especialmente se for primavera ou verão, não deixe de passar algum tempo num dos muitos parques da cidade. Nos dias de bom tempo há sempre muitas gente a aproveitar o sol e muitas actividades. Comece o dia com uma visita ao Tate Modern, a galeria de arte moderna de Inglaterra e que está aberta todos os dias, a partir das 10h00. A não ser que haja alguma exposição especial, a entrada é gratuita. Fica no Southwark, junto à Millennium Bridge, uma ponte pedonal que liga o Bankside à City de Londres. Quando sair, procure um supermercado ou mercado de rua e compre algumas coisas para fazer um pick-nic num dos parques da cidade. Sugiro o St. James Park, que fica a uns 30 minutos a pé do Tate Modern. Siga o exemplo dos londrinos e deixe-se relaxar enquanto aproveita o sol. A seguir, ou se o tempo não estiver convidativo, aproveite para ver (ou visitar, se estiver aberto ao público) o Palácio de Buckingham, que fica entre este parque, o Green Park e os Buckingham Palace Gardens. Para jantar, procure a The Market Tavern, a 5 minutos a pé do palácio, na Shepherd Street, onde pode fazer uma refeição relativamente barata acompanhada por uma das muitas cervejas disponíveis, com menus a partir de 5 libras (snacks).

Se ainda tiver energia e não for muito tarde, desça em direcção ao Tamisa e caminhe um pouco na Millbank, até ao Palácio de Westminster. Se estiver bom tempo, deve ver muita gente a caminhar junto ao rio.

Segunda-feira / terceiro dia

Comece o dia com uma curta viagem de 3km de barco, de Little Venice, uma zona residencial muito bonita, com os seus barcos coloridos, até ao Zoo de Londres – o mais antigo jardim zoológico científico do mundo, no Regent’s Park. O bilhete custa perto de 30 euros, mas vale a pena visitar este zoológico histórico. A não ser que veja o zoo a fazer jogging, vai demorar pelo menos o resto da manhã. Quando sair, vá até ao Camden Market (15 minutos a pé) – um dos mais conhecidos mercados de Londres onde pode, para além de fazer uma refeição económica, encontrar desde peças de roupa vintage, discos de vinil, antiguidades e muito mais.

De tarde, atravesse de novo o Regent’s Park (são só 30 minutos a pé) e entre no Madame Tussauds, o museu de cera que é também uma das principais atracções turísticas cidade – tão célebre que tem várias “filiais” espalhadas pelo mundo.

Se for fã dos livros de detectives Sir Arthur Conan Doyle, entre ainda no Sherlock Holmes Museum, na Baker Street, a menos de 5 minutos a pé do Tussauds. O bilhete custa 15 libras (mais ou menos 20 euros, conforme o câmbio).

Mesmo que viaje sozinho ou com amigos, não deixe de assistir a um dos muitos musicais de Londres. Sugiro o Wicked, no Apollo Victoria Theatre, uma paródia que busca inspiração à história do Feiticeiro de Oz.

Antes do musical, procure um restaurante que ofereça refeições pré-teatro – não só consegue jantar a tempo de estar no teatro antes das 19h30, como normalmente é-lhe oferecido desconto se tiver bilhete para um espectáculo. Sugiro a Opera Tavern, uma casa de tapas na Catherine Street, onde pode petiscar por pouco mais de 5 euros ou fazer uma refeição completa por cerca de 20. Fica a 1km do Apollo Victoria Theatre, no Covent Garden.

Terça-feira / quarto dia

Guia de Londres

Guia de Londres

Não deixe para amanhã as compras de última hora que pode fazer hoje. Comece o dia com um salto ao Oxford Circus, a mais movimentada zona comercial da Europa, e aproveite para fazer algumas compras. De certeza que, com as mais de 300 lojas que encontra na Oxford Street, na Regent Street e nas muitas ruas secundárias comerciais, vai encontrar o que procura. Só não se distraia, senão acaba por não conseguir fazer mais nada neste dia. Quando apertar a fome, procure um fish and ships ou outro restaurante ou banca de comida rápida, para não perder tempo. Depois de almoço, visite o Palácio de Westmisnter, a uns 20 minutos a pé da Regent Street, e faça uma visita guiada ao palácio, que é sede do Parlamento Britânico. O custo da visita é de 25£ para adulto mas, se não quiser gastar dinheiro, pode sempre ver por fora e as áreas abertas ao público, que vale na mesma a pena. Procure a famosa Torre do Relógio (agora chamada oficialmente Elisabeth Tower) e espere pelo toque do Big Ben na mudança da hora. Visite ainda a Abadia de Westminster, mesmo ali ao lado, do outro lado da Abingdon Street – a mais importante igreja de Londres e de Inglaterra, onde são coroados os monarcas britânicos.

À noite, no Covent Garden, procure para jantar o The Lamb and Flag, um dos mais antigos e carismáticos pubs de Londres, onde para além de refeições relativamente económicas (10 a 15 euros), encontra uma grande variedade de cervejas e whiskies.

Se não sair muito tarde, dê ainda uma volta pelo Covent Garden antes de regressar ao hotel.

Quarta-feira / quinto dia

Se o seu voo for da parte da tarde e não se importar de andar de malas às costas ou de regressar ao hotel para as buscar, visite ainda o Greenwich Market, dicado às artes, antiguidade e artesanato. É um dos mais carismáticos mercados de Londres, e está instalado numa estrutura classificada como Património da Humanidade.

Uma semana – 7 dias em Londres

Londres: 7 dias com excursão fora da cidade

Sexta-feira / primeira noite

Guia de Londres

Guia de Londres

Acabou de chegar, provavelmente ainda cansado do dia e da viagem. Se não tiver muita vontade de sair do hotel, não se esforce – descanse mesmo, já que vai precisar de energia para a semana que se segue. Se ainda for cedo ou tiver vontade de tomar um copo, pergunte no hotel se há algum pub ou bar agradável próximo, ou então, se estiver numa zona mais interessante dê uma caminhada, sem pressa de ver isto ou aquilo.

Sábado / primeiro dia

Uma vez que vai ficar em Londres quase uma semana inteira, pode fazer algumas das coisas que sugeri no roteiro de dois dias, com muito mais tempo e calma.

Comece pela City (a City of London, também conhecida pela Square Mile), o coração da cidade. Inicie o dia com uma caminhada curta, de pouco mais de 2km, em que vai ver algumas das principais atracções e marcos históricos da City. Primeiro, o Museum of London – aqui vai ficar a conhecer um pouco mais história turbulenta da cidade, desde o período dos romanos, até aos saxões e ao período medieval. Está instalado na rotunda que intersecta a London Wall e a Aldersgate St. e, como na maioria dos principais museus de Londres, a entrada é gratuita. Depois, caminhe uns cinco minutos na direcção do Tamisa e entre na Catedral de São Paulo, uma catedral Anglicana (Igreja de Inglaterra) que é uma das mais impressionantes do mundo – a sua cúpula é mesmo a segunda maior do mundo, só ultrapassada pela Basílica de São Pedro, no Vaticano.

A não ser que tenha andado a correr, já será hora de almoçar. Procure o Burger and Lobster, a menos de 5 minutos a pé, na Bread St. Para esta zona da cidade não é caro, podendo fazer uma refeição simples por pouco mais de 10 euros. Há na zona muitos restaurantes, pelo que pode procurar um pouco pelo que lhe interessar mais.

Depois de almoço sugiro um programa que vai certamente ajudar a queimar as calorias. Desça uns metros em direcção ao rio até à Cannon St. caminhe cerca de 1km até ao The Monument – o monumento criado em memória do Grande Incêndio de Londres. Encha-se de coragem e suba os seus 311 degraus. O bilhete custa cerca de 5 euros, mas a vista lá de cima é fabulosa. Quando recuperar o fôlego, caminhe mais uns 10 minutos em direcção à Torre de Londres. Situada nas margens do Tamisa, esta estrutura imponente foi construída no século XI por ordem de Guilherme, O Conquistados e já foi desde residência de monarcas a prisão de indesejados do reino. Actualmente guarda a jóias da coroa britânica e uma colónia de seis corvos protegida por decreto real que, segundo a crença popular, protegem a Torre e a Coroa Britânia. A seguir, atravesse a adjacente Tower Bridge – ela própria uma das mais impressionantes estruturas da cidade – e, se ainda tiver energia, caminhe mais uns 45 minutos até ao London Eye (em alternativa apanhe o autocarro) e compre bilhete para um dos voos da roda-gigante que oferece uma vista única sobre a cidade.
Se não for grande fã de rodas-gigantes e se acredita que os cerca de 25 euros de bilhete são mais bem empregues num jantar ou num copo à noite, siga directo para o The Shard, o mais alto edifício de Londres, onde pode jantar num dos seus restaurantes de topo (topo de qualidade e de altura…) e desfrutar de uma vista fantástica sobre Londres. Estes restaurantes são algo caros, por isso se quiser poupar algum dinheiro coma qualquer coisa na rua e suba depois ao The Shard (o restaurante/bar mais elevado é o Gong, no 52º andar) para um copo ao por do sol.
Pode parecer que não ao ler aqui, mas por esta hora já caminhou e viu muitas coisas. Desfrute da vista e, a não ser que ainda tenha muita energia para gastar, dê o dia por terminado. Amanhã ainda é dia!

Domingo / segundo dia

No Domingo, especialmente se for primavera ou verão, não deixe de passar algum tempo num dos muitos parques da cidade. Nos dias de bom tempo há sempre muitas gente a aproveitar o sol e muitas actividades. Comece o dia com uma visita ao Tate Modern, a galeria de arte moderna de Inglaterra e que está aberta todos os dias, a partir das 10h00. A não ser que haja alguma exposição especial, a entrada é gratuita. Fica no Southwark, junto à Millennium Bridge, uma ponte pedonal que liga o Bankside à City de Londres. Quando sair, procure um supermercado ou mercado de rua e compre algumas coisas para fazer um pick-nic num dos parques da cidade. Sugiro o St. James Park, que fica a uns 30 minutos a pé do Tate Modern. Siga o exemplo dos londrinos e deixe-se relaxar enquanto aproveita o sol. A seguir, ou se o tempo não estiver convidativo, aproveite para ver (ou visitar, se estiver aberto ao público) o Palácio de Buckingham, que fica entre este parque, o Green Park e os Buckingham Palace Gardens. Para jantar, procure a The Market Tavern, a 5 minutos a pé do palácio, na Shepherd Street, onde pode fazer uma refeição relativamente barata acompanhada por uma das muitas cervejas disponíveis, com menus a partir de 5 libras (snacks).

Se ainda tiver energia e não for muito tarde, desça em direcção ao Tamisa e caminhe um pouco na Millbank, até ao Palácio de Westminster. Se estiver bom tempo, deve ver muita gente a caminhar junto ao rio.

Segunda-feira / terceiro dia

Guia de Londres

Guia de Londres

Comece o dia com uma curta viagem de 3km de barco, de Little Venice, uma zona residencial muito bonita, com os seus barcos coloridos, até ao Zoo de Londres – o mais antigo jardim zoológico científico do mundo, no Regent’s Park. O bilhete custa perto de 30 euros, mas vale a pena visitar este zoológico histórico. A não ser que veja o zoo a fazer jogging, vai demorar pelo menos o resto da manhã. Quando sair, vá até ao Camden Market (15 minutos a pé) – um dos mais conhecidos mercados de Londres onde pode, para além de fazer uma refeição económica, encontrar desde peças de roupa vintage, discos de vinil, antiguidades e muito mais.

De tarde, atravesse de novo o Regent’s Park (são só 30 minutos a pé) e entre no Madame Tussauds, o museu de cera que é também uma das principais atracções turísticas cidade – tão célebre que tem várias “filiais” espalhadas pelo mundo.

Se for fã dos livros de detectives Sir Arthur Conan Doyle, entre ainda no Sherlock Holmes Museum, na Baker Street, a menos de 5 minutos a pé do Tussauds. O bilhete custa 15 libras (mais ou menos 20 euros, conforme o câmbio).

Mesmo que viaje sozinho ou com amigos, não deixe de assistir a um dos muitos musicais de Londres. Sugiro o Wicked, no Apollo Victoria Theatre, uma paródia que busca inspiração à história do Feiticeiro de Oz.

Antes do musical, procure um restaurante que ofereça refeições pré-teatro – não só consegue jantar a tempo de estar no teatro antes das 19h30, como normalmente é-lhe oferecido desconto se tiver bilhete para um espectáculo. Sugiro a Opera Tavern, uma casa de tapas na Catherine Street, onde pode petiscar por pouco mais de 5 euros ou fazer uma refeição completa por cerca de 20. Fica a 1km do Apollo Victoria Theatre, no Covent Garden.

Terça-feira / quarto dia

Não deixe para amanhã as compras de última hora que pode fazer hoje. Comece o dia com um salto ao Oxford Circus, a mais movimentada zona comercial da Europa, e aproveite para fazer algumas compras. De certeza que, com as mais de 300 lojas que encontra na Oxford Street, na Regent Street e nas muitas ruas secundárias comerciais, vai encontrar o que procura. Só não se distraia, senão acaba por não conseguir fazer mais nada neste dia. Quando apertar a fome, procure um fish and ships ou outro restaurante ou banca de comida rápida, para não perder tempo. Depois de almoço, visite o Palácio de Westmisnter, a uns 20 minutos a pé da Regent Street, e faça uma visita guiada ao palácio, que é sede do Parlamento Britânico. O custo da visita é de 25£ para adulto mas, se não quiser gastar dinheiro, pode sempre ver por fora e as áreas abertas ao público, que vale na mesma a pena. Procure a famosa Torre do Relógio (agora chamada oficialmente Elisabeth Tower) e espere pelo toque do Big Ben na mudança da hora. Visite ainda a Abadia de Westminster, mesmo ali ao lado, do outro lado da Abingdon Street – a mais importante igreja de Londres e de Inglaterra, onde são coroados os monarcas britânicos.

À noite, no Covent Garden, procure para jantar o The Lamb and Flag, um dos mais antigos e carismáticos pubs de Londres, onde para além de refeições relativamente económicas (10 a 15 euros), encontra uma grande variedade de cervejas e whiskies.

Se não sair muito tarde, dê ainda uma volta pelo Covent Garden antes de regressar ao hotel.

Quarta-feira / quinto dia

Guia de Londres

Guia de Londres

Visite o Greenwich Market, dicado às artes, antiguidade e artesanato. É um dos mais carismáticos mercados de Londres, e está instalado numa estrutura classificada como Património da Humanidade. Depois de visitar o Greenwich Market, procure o National Maritime Museum (a uns 300 metros do mercado) e, se ainda tiver tempo, o Royal Observatory, também na mesma zona.

Ao fim do dia, apanhe o metro ou autocarro para a City de Londres (cerca de 10km e 50 minutos de viagem) e procure a Ye Olde Mitre Tavern, uma jóia escondida de Londres (e provavelmente a taverna mais difícil de encontrar da cidade, numa viela estreita e difícil de encontrar…). Entra-a na 1 Ely Court, Ely Place, London.

Quinta-feira / sexto dia

Para este último “dia útil” em Inglaterra sugiro uma visita à lindíssima cidade de Bath, famosa pelos seus banhos e águas termais. Fica a cerca de 150km a poente de Londres, que demoram cerca de duas a fazer de comboio. Se não tiver medo de conduzir “ao contrário”, alugue um carro para ter mais liberdade – assim ainda pode parar a caminho no famosíssimo Stonehenge, um alinhamento megalítico da idade do Bronze e que se acredita ter estado ligado à astronomia e práticas religiosos.

Em Bath não deixe de visitar os Banhos Romanos. Procure fazer a viagem o mais cedo possível para evitar as multidões, que habitualmente chegam por volta do almoço. Para almoçar procure o Chapel Arts Café, um restaurante/café que oferece várias opções vegetarianas a um custo acessível. Se tiver tempo, aproveite ainda para participar numa das walking tours gratuitas, que são feitas por voluntários e levam cerca de duas horas a mostrar os principais pontos da cidade.

Para jantar procure o Casanis, um restaurante muito acolhedor bem no centro da cidade. Os preços rondam 20 a 30 euros por pessoa, mas o ambiente e a qualidade da comida valem a pena.
Passe a noite num dos belíssimos hotéis de Bath, para aproveitar para relaxar um pouco antes da viagem de regresso. Aqui, os preços são mais baixos do que em Londres e pode ficar num hotel muito bom, como o Aqua Sulis ou a Bay Tree House por menos de 150 euros por um quarto para duas pessoas.

Veja aqui uma selecção de fotografias da cidade de Bath e aqui dos banhos romanos da cidade.

Sexta-feira / sétimo dia

Não há muito a fazer, ainda tem bastantes quilómetros pela frente para apanhar o seu voo. O melhor é mesmo fazer as malas e a viagem, seja de comboio ou de carro, com tempo de sobra, para evitar chatices no regresso.

4-Londres: Onde Comer & Beber

Pubs & tavernas históricas

Guia de Londres

Guia de Londres

Londres é muito mais do que Museus, palácios, monumentos famosos ou mercados. Uma das coisas mais gratificantes é poder experimentar uma das coisas mais características de Inglaterra: os seus pubs e cafés. Há inúmeros pubs em Londres, muitos com carácter histórico, restaurantes de géneros de todo o mundo, esplanadas e cafés.

Deixo-lhe algumas sugestões:

Lamb & Flag

Inserido no Covent Garden, o Lamb & Flag é considerado o mais antigo pub licenciado de Londres, licenciado desde 1623, mas cujo edifício data do tempo dos Tudor. Se puder, não deixe de conhecer este marco da capital londrina onde vai, literalmente, beber história. O saber nunca ocupou espaço…

Ye Olde Bell Tavern

Igualmente datando do século XVII, temos o Ye Olde Bell Tavern. Estabelecido em 1670 na The City, aqui vai encontrar uma muito decente selecção de cervejas. O ambiente, hoje mais moderno, perdeu um pouco do seu carácter histórico.

Ye Olde Cheshire Cheese

A não perder também, temos ainda na The City o Ye Olde Cheshire Cheese. Este pub rivaliza em antiguidade com o Lamb & Flag que, apesar de ter conhecido várias encarnações, já existe desde o século XIV! Aliás, neste pub pode sentir-se mais num museu do que numa taverna, já que são imensos os turistas que pululam os corredores a tirar fotos aos seus quartos históricos. O pub actual existe desde 1667 mas já existia no mesmo local, desde 1538, outro estabelecimento do género, a Horn Tavern. Antes disso, já no século XIII, o edifício de seis andares onde está instalado foi uma uma estalagem gerida pelas Irmãs Carmelitas. A taverna mantém-se fiel ao ambiente vivido em séculos anteriores e, à entrada, ainda se pode ler um sinal que indica “Só servimos senhores neste bar” ou “Gentlemen only served in this bar” – mas não se preocupem senhoras, esta regra não mais se aplica.

The Mayflower

Junto ao Tamisa, na Rotherhithe Street, encontra o The Mayflower, um pub com origem em 1550 e que celebra as aventuras marítimas e os piratas com os seus tectos decorados com cordas, espingardas, barcos modelo e roldanas penduradas.

Spaniards Inn

Isolado na fronteira entre Hampstead e Highgate, o Spaniards Inn exala um ar clandestino desde 1585. Celebrado na obra The Pickwick Papers de Charles Dickens, este pub londrino mantém uma aura muito original, com os seus tectos baixos e o mobiliário antigo em madeira.

The George Inn

Estabelecido em 1677, o The George Inn na Hight Street, em Southwark traça a sua origem já a 1543, quando era uma estalagem de beira de estrada. Possui várias salas, cada uma com um ambiente distinto e original, a fazer lembrar tempos antigos.

The George and Vulture Tavern

Em Cornhill, entre no The George and Vulture Tavern, uma taverna que existe desde os finais do século XV, numa zona de becos sombrios. O edifício original foi destruído no grande incêndio de Londres de 1666, mas foi reconstruído a partir da sua carcaça. O seu interior em madeira e as suas salas intimistas convidam a mais do que um copo e a procurar este espaço para um jantar mais demorado. Só está aberto durante a semana, mas entrar aqui é como viajar no tempo – desde a decoração aos pratos servidos, idênticos à ementa de há 100 ou 200 anos atrás e com preços mais acessíveis do que outros lugares mais turísticos.

Simpson’s Tavern

“The oldest chophouse in London”. Esta taverna não é para vegetarianos. Ainda em Cornhill, em Ball Court Alley, está instalada numa alameda escura esta casa onde tudo gira à volta da carne e à vontade do freguês. Abriu em 1757 e, em mais de 200 anos, muito pouco mudou.

The Prospect of Whitby

Mesmo junto ao Tamisa, um antigo antro de piratas, contrabandistas e malfeitores, o The Prospect of Whitby faz jus à sua história: conta com mastros inseridos na sua estrutura, barris antigos e volantes de barcos espalhados e mesmo um laço pendurado em frente ao balcão, a celebrar o infame juiz George Jeffreys – o “Juiz Enforcador”, que costumava beber ali depois de um intenso dia de trabalho… a enviar condenados para a forca. Anteriormente conhecido como Devil’s Tavern, ou Taverna do Diabo, está ali desde 1520.

The Grapes

Se quiser sentar-se com os locais, experimento o The Grapes, na Narrow Street. Não garanto que os habituais da casa, pouco acostumados a visitantes, lhe dêem muita conversa, mas vai encontrar um lugar com uma atmosfera genuína. Vale a pena a visita, nem que seja pela sua antiguidade (existe desde 1583).

Ye Olde Mitre Tavern

É possivelmente a taverna mais difícil de encontrar em Londres e, por isso, talvez uma das que valha mais a pena procurar. Em Holborn, procure esta taverna cujo interior se destaca logo pela colecção de centenas de bules e canecas penduradas no tecto. Inserido numa viela estreita, vai ter de estar atento para não a perder. Possui um balcão coberto de flores coloridas e, no seu interior, os barris servem de mesa. Uma gema escondida desde 1773.

Gordon’s Wine Bar

Definitivamente um dos bares londrinos a não perder: junto ao Tamisa, procure e entre no Gordon’s Wine Bar. Um bar um tanto elitista, numa cave de uma antiga casa do período georgiano, onde – em excepção à regra – não vai encontrar cerveja. Não vai ter falta é de selecção de vinhos por onde escolher, e pode mesmo matar saudades de um Vinho do Porto ou da Madeira, servido directamente do barril. Estabelecido em 1890, é mais antigo Wine Bar de Londres. Procure-o em Villiers Street, junto à represa do Tamisa.

Restaurantes e mercados

Guia de Londres

Guia de Londres

Não deve visitar Londres sem conhecer pelos menos alguns dos seus pubs e tavernas. No entanto, para o dia-a-dia, enquanto anda no bulício das visitas a museus, sítios históricos e outros locais de interesse, é mais simples e barato parar nos cafés e restaurantes de beira-de-estrada ou nos mercados.

Lembre-se que Londres é uma cidade muito grande e com uma oferta imensa e muito variada de restaurantes, cafés, bancas de comida rápida e muito mais! Não vai ter dificuldade em encontrar soluções e espaços à sua medida.

Deixo-lhe aqui algumas sugestões:

Se estiver no East End, procure a Whitechapel road, onde vai encontrar vários restaurantes de comida indiana a preços bem convidativos. Pode ver aqui um vídeo desta rua, onde encontra de tudo: lojas, bancas de rua, mesquitas – se se distrair até pode pensar que não está em Londres. Deixo-lhe duas sugestões: O Spice Grill & Café, um restaurante indiano, e o Ruchi, com comida do Bangladesh e que oferece vários pratos vegetarianos.

Para um serviço rápido e económico procure os restaurantes Wagamama, espalhados por toda a cidade. Já fui a estes restaurantes muitas vezes nas minhas viagens a Londres. Apesar de não ser propriamente um restaurante vegetariano, vai encontrar aqui muitos pratos à escolha e a bom preço (para Londres, pelo menos).

Também vai encontrar refeições bem económicas nos mercados espalhados pela cidade.

Veja ainda as minhas sugestões para:

Restaurantes e cafés económicos

TortelliniCup

Com refeições de pequeno-almoço, almoço e jantar, está aberto todo o dia e oferece pratos a variar entre 2 e 7 euros. Pode encontrar restaurante, estilo fast food de comida italiana na Finchley Road, em Hampstead. Wifi-gratuito.

New London Café

Na St. Paul’s Road, este agradável café, com uma atmosfera muito acolhedora e com esplanada exterior, oferece refeições leves com preços a variar entre 4 e 11 euros.

Wassouf Lounge

Situado na zona oeste de Londres, afastado do centro, este restaurante oferece refeições a rondar os 10 euros, com um serviço rápido e simpático e comida fresca. Se passar por aqui, experimente.

Pellicci E

Fora da zona mais turística, mas ainda próximo do centro, no East End, encontra na Bethnal Green Road o Pellicci E, restaurante de fusão de cozinha italiana e britânica, onde pode pedir refeições bem saborosas por cerca de 10 euros por pessoa.

The Punjab

Encontra-o bem no centro de Londres, no Covent Garden, no número 80 da Neal Street. É um dos melhores e mais antigos restaurantes de comida indiana de Londres. O serviço pode ser por vezes demorado, mas a comida é muito boa e o preço convidativo, para quem quiser descansar dos restautes fast-food, das bancas de rua e dos mercados. Está aberto das 12h00 às 23h30 e os preços andam entre 15 e 20 euros.

The Yellow House Bar & Kitchen

No centro de Londres, mesmo à entrada do Southwark Park, na Lower Road, este bar-restaurante oferece comida variada, onde se destacam as deliciosas pizzas. Para quem prefere a cozinha vegetariana, também oferece uma razoável variedade de pratos. Preços por pessoa entre os 10 e 20 euros.

Vertigo 42

Se não sofre de vertigens, experimente este restaurante instalado no topo da Torre 42, um dos mais altos edifícios de Londres. Os preços são um pouco mais caros, entre os 30 e os 45 euros por pessoa, mas a vista sobre a cidade é fabulosa. Leve a máquina fotográfica e aproveite para tirar umas fotografias. Fica ou menos entre a The City e Witechapel, na Old Broad Street.
Para carteiras recheadas e ocasiões especiais

The Five Fields

Localizado em Chelsea, na rua Blacklands Terrace, este restaurante gourmet não é para todas as carteiras. Os preços podem rodar 100 euros por pessoa, mas o ambiente, a qualidade do serviço e os pratos são verdadeiramente únicos – desde os pratos principais às sobremesas tudo é impecavelmente preparado e apresentado. Para ocasiões especiais e em que o orçamento não seja um problema.

Restaurant Gordon Ramsay

Um restaurante de degustação, em que são apresentadas diversas pequenas porções. Aqui, o objectivo é experimentar um pouco de tudo. O restaurante pode ser caro – casais mais frugais poderão pagar uma conta de 200 euros, mas os mais descontraídos poderão facilmente ultrapassar os 1000 ou 1500 – mas a experiência é única. Definitivamente não é para todas as carteiras. Encontra-o na Royal Hospital Road, em Chelsea.

Bel Canto Restaurant

Se gosta de ópera, saiba que nesta casa os funcionários cantam enquanto o servem. Com preços a ultrapassar facilmente 100 euros por pessoa, não é para todos os gostos e, seguramente, todas as carteiras. No entanto, tanto o local, como o serviço e os pratos são impressionantes. Se puder, experimente. Em Bayswater Road, mesmo junto aos Kensington Gardens e Hyde Park. Já que está aqui, aproveite para visitar o Palácio de Kensington, que é a residência oficial do Duque e Duquesa de Cambridge.

The Foyer At Claridge’s

Muito cobiçado para o chá da tarde, este espaço localizado na Brook Street, na zona de Mayfair, também oferece jantares maravilhosos. Os preços podem chegar 200 euros por pessoa, mas tanto o lugar como o serviço é maravilhoso. Se estiver em Londres a celebrar uma ocasião ou aniversário especial, abra os cordões à bolsa e experimente!

London Pass - Visitar Londres mais barato
Poupe dinheiro nos monumentos de Londres comprando com antecedência o famoso London Pass. Visitar Londres e visitar todos os seus monumentos é caro.

Com o London Pass você poupa imenso dinheiro e tempo de espera nas filas de ingresso.

Veja ainda:


🛫 Kit de Viagem

✅ Encontre os melhores hotéis e promoções através do Booking.com
✅ Reserve o seu carro online através do Rentalcars.com
✅ Faça o seu seguro de viagem através do Worldnomads.com
✅ 7 dias em Marrocos 430 euros desde Marrakech até ao Deserto do Saara através do Marrocos.com

🚀 Siga nas redes sociais

Facebook Twitter Google+ Instagram Pinterest Stumbleupon Tumblr YouTube Blog Lovin

🗨 Deixe o seu comentário aqui

Os comentários deste blog de viagens são via facebook.







🏆 Blog de viagens mencionado em

Blog de viagens nos Media

📷 Seguir João Leitão Viagens no Instagram