Promocao de Viagem a Marrocos Verao 2021

Tailândia Norte vs Sul – Comparação prática

Categorias Asia, Tailândia
Tailândia Norte vs Sul
Tailândia Norte vs Sul

A Tailândia é um dos destinos turísticos mais populares do mundo e não é de espantar.  As pessoas são hospitaleiras, as paisagens são exóticas e as praias são paradisíacas. 

Contudo, quem planear umas férias na Tailândia terá desde logo um problema: escolher um itinerário ou, se preferir umas férias relaxantes, um local para usufruir das excelentes condições que o país tem para oferecer. 

Uma das mais frequentes questões colocadas por quem começa a preparar a visita é se devem optar pelo norte da Tailândia ou pelo sul da Tailândia. E é uma pergunta de resposta difícil, pois há muito o que fazer na Tailândia e ambas as regiões têm grandes atractivos, vantagens e desvantagens.

A Tailândia é um país que se estende de norte para sul, começando por ser encorpado e interior, passando depois para uma longa península rodeada de mar. Essa faixa de terra, parcialmente dividida com o Myanmar, tem 800 km de extensão, mas no seu ponto mais estreito tem apenas 10 km de largura.

Como geralmente acontece com nações que se alongam assim, a Tailândia tem grandes diferenças regionais em quase todos os aspectos. Desde a gastronomia até à paisagem dominante, da língua até ao clima, quase tudo vai mudando à medida que atravessamos o país de norte para sul.

Paisagem

  • O norte da Tailândia é montanhoso, com amplas zonas de selva tropical e Parques Naturais onde se pode observar a fauna local. O clima aqui é tropical e isso nota-se na paisagem. O verde cobre quase todo o norte do país. 
  • A sul o mar domina. Envolve a longa península que se estende até Singapura e que forma o sul da Tailândia. A presença humana é mais intensa, abundam as praias e as ilhas. Há baías escondidas, formações rochosas calcárias que se erguem nas águas oceânicas.

Clima

O clima na Tailândia é claramente dividido por uma linha que passa sobre a capital, Banguecoque. 

  • A norte, existem três estações distintas: desde finais de Setembro até Fevereiro o tempo é relativamente fresco e seco, sendo a época mais popular para os turistas; entre Março e Maio é esperado calor e muita humidade; de Junho a Setembro tem lugar a monção, com muita chuva. 
  • No sul há uma época seca  e uma época das chuvas. Contudo, esta sazonalidade tem lugar em épocas diferentes do ano consoante se esteja na parte ocidental ou oriental da região. A leste o clima é mais agradável durante uma boa parte do ano. Janeiro e Fevereiro são os meses mais secos e em Novembro há mais precipitação. A ocidente, onde se encontram Krabi e e Phuket, o período entre Novembro e Março é o mais adequado para visitar, com menos chuva e dias melhores para a praia. Entre Junho e Outubro chove bastante. As temperaturas estão mais elevadas de meados de Março até ao início da época das chuvas.

Actividades

Norte da Tailândia

O norte da Tailândia é mais adequado para quem prefere um turismo cultural e urbano e para quem se interessa mais pelos aspectos humanos. A natureza é generosa aqui, mas não encontrará praias, até porque a região não tem qualquer acesso ao mar. 

Sukhothai, sensivelmente a meio caminho entre Banguecoque e Chiang Mai, é imperdível. Trata-se da primeira capital do reino do Sião, ou o que resta dela. Atingiu o seu apogeu entre os séculos XIII e XIV.  É um dos cinco locais UNESCO na Tailândia.  

A Ponte do Rio Kwai, localizada a 130 km a noroeste de Banguecoque, é um local muito visitado. Faz parte da linha de caminho-de-ferro construída durante a Segunda Guerra Mundial pelos prisioneiros de guerra capturados pelo Japão. Ganhou notoriedade graças ao filme com o mesmo nome, realizado em 1957 por David Lean. 

Explorar a Natureza é uma das melhores actividades a fazer no norte da Tailândia. Existem ali 34 parques nacionais, alguns deles bastante acessíveis desde cidades próximas, como Chiang Mai, Chiang Rai e Mae Hong Son. 

No norte do país vivem dezenas de tribos com identidades culturais próprias. Visitar aldeias habitadas por estas tribos é algo interessante que se pode fazer na região. Por exemplo, os Lisu são descendentes de nómadas tibetanos que se estabeleceram aqui há centenas de anos. Os Karen vieram de Burma no século XVIII e são conhecidos pela sua mestria no trabalho com elefantes. Os  Hmong tinham uma identidade própria na China mas no século XVII refugiaram-se no Sião para fugir às atrocidades cometidas contra eles pelos monarcas da dinastia Qing. 

Quem se interessa por elefantes encontrará no norte do país os melhores locais para observar estes animais. O Elephant Nature Park, nas imediações de Chiang Mai, é um dos mais importantes e respeitados santuários de elefantes na Tailândia. Na zona de Lampang existe o Friends of the Asian Elephant Hospital, um dos poucos centros veterinários especializados em elefantes a nível mundial. Pode ser visitado.

Sul da Tailândia

No sul da Tailândia fazer praia é a principal actividade. A areia é clara e fina, a água é transparente, tépida e calma e a paisagem envolvente é idílica. Existem literalmente milhares de bonitas praias no sul da Tailândia, muitas delas em pequenas ilhas. Uma lista completa é virtualmente impossível de apresentar e uma selecção variará sempre conforme os critérios de quem a organize. Ficam aqui cinco sugestões e uma surpresa:

Maya Bay. A praia mais famosa da Tailândia, cenário do filme A Praia (2000) com Leonardo DiCaprio no principal papel.  Localiza-se na ilha Ko Phi Phi Lee, na parte ocidental do sul do país. Apesar da intensidade do turismo, a beleza da praia e da natureza envolvente não se perdeu. É a praia modelo, um cenário de postal ilustrado, com areia muito clara e água azul-turquesa. 

Railay Beach. Fica na área de Krabi, a 15 km da cidade. Está rodeada por árvores frondosas e pelo verde da selva e, do lado do mar, destacam-se as formações rochosas habitadas por colónias de macacos. A areia é dourada e a água é ideal para banhos, calma e transparente.  Apesar de se encontrarem aldeamentos turísticos muito próximos, encontram-se escondidos pela vegetação e a paisagem parece intocada. 

Ao Kwang Peeb. Esta praia situa-se na ilha de Koh Phayam, no norte da costa ocidental da Tailândia. Chega-se ao areal através de um trilho estreito que atravessa a selva envolvente. A praia é excelente para nadar e o cenário que a envolve é magnífico, dominado pelo verde da vegetação. 

Freedom Beach. Provavelmente a melhor praia de Phuket. Pode ser alcançada descendo um caminho íngreme ou de barco. O azul da água é de um tom turquesa, que contraste com o verde intenso da selva que envolve o areal. Tem uma extensão de 300 metros, sendo limitada de um lado e de outro por formações rochosas.

Phra Nang. Esta praia fica em Krabi e é considerada não sou uma das mais bonitas da Tailândia como também do mundo. Reúne todos os ingredientes que fazem uma praia perfeita: águas transparentes, um areal claro, formações rochosas ao largo, selva densa em redor, recifes de coral, grutas e um ambiente descontraído. 

Uma praia secreta: Morakot. Esta praia fica na ilha Koh Muk, a uns 80 km de Crabi. Para se chegar até ela terá que ir por mar, passando por uma abertura obscura nas rochas que conduz a este lugar escondido. A água forma uma espécie de lagoa, cercada de paredes rochosas onde cresce uma vegetação muito verde. 

O sul da Tailândia é ideal para a prática do o mergulho e visitar a Tailândia nesta região oferece uma excelente oportunidade para quem pretender tirar um curso. A ilha de Kho Thao é um dos melhores locais para mergulhar, mas existem muitas outras opções. Nas ilhas Surin a água é especialmente límpida, existem muitas escolas de mergulho e uma fauna marítima que inclui raias e baleias. Quem gosta de explorar navios naufragados poderá mergulhar junto aos restos do King Cruiser, um ferry que se afundou próximo de Phuket em 1977, ou do HTMS Chang, junto à ilha de Ko Chang. 

E ainda:

  • Os passeios de barco entre os ilhéus do mar de Andaman como as Ilhas Similan, entre Krabi e Phuket, são muito populares. No seu interior encontram-se os hongs, cavernas que ruíram, dando origem a pequenos mundos secretos a que apenas se pode aceder de canoa e só durante a maré baixa. 
  • Há zonas de selva, parques com abundante vida selvagem e um ou outro santuário de elefantes. Existem também cidades de interesse histórico como Nakhon Si Thammarat ou a famosa Phuket, onde se encontram bonitas mansões de origem sino-portuguesa. 
  • A vida nocturna é mais activa nesta parte do país, com uma série de pontos especialmente animados, como Phuket, Pattaya e Koh Phangan.

Que cidades visitar na Tailândia

Cidades do Norte

Chiang Mai

A principal cidade do norte da Tailândia é Chiang Mai. Tem apenas 130 mil habitantes, mas é uma das maiores cidades do país, acentuando o contraste entre a ruralidade da maioria da nação e a grande metrópole que é a capital do país. 

Chiang Mai foi a capital do antigo reino de Lanna que subsistiu até 1558. Alguns dos mais espectaculares templos da cidade remontam a essa época como é o caso de Wat Phra Singh e Wat Chedi Luang. É uma cidade histórica e no centro podem-se ver vestígios das antigas muralhas. Fora do núcleo histórico encontram-se os afamados mercados de Chiang Mai, com destaque para os que se realizam aos fins-de-semana.

Pai

Fica a três horas de viagem de Chiang Mai, para norte. Popularizou-se como um retiro hippie e ainda hoje tem uma atmosfera muito liberal, com restaurantes vegan, retiros de yoga, lojas holísticas e todo um ambiente muito espiritual e com ênfase em práticas saudáveis.

Chiang Rai

Antes de Chiang Mau, que significa precisamente “nova cidade”, Chiang Rai era a capital do reino de Lanna. Hoje em dia tem cerca de 75 mil habitantes e os seus principais atractivos são as obras de dois artistas tailandeses, Thawan Duchanee e Chalermchai Kositpipat. O primeiro criou a Baan Dam (Casa Negra), que pretendia ser uma representação do Inferno. Chalermchai Kositpipat construiu um dos templos budistas mais bizarros do mundo, um local onde a tradição se mistura com elementos retirados de Hollywood e do universo Hello Kitty. Outra das fabulosas criações do artista é o Relógio da Cidade, que às 18:00, 19:00 e 21:00 oferece a quem estiver presente um espectáculo que colocará um sorriso em quem ali estiver presente.

Lampang

Fica a sul de Chiang Mai e talvez por isso não receba um número tão elevado de visitantes. É que a maioria das outras cidades e pontos de interesse da região localizam-se a norte da capital da região. Contudo, encontra-se no principal eixo rodoviário que liga Chiang Mai a Banguecoque, sendo uma cidade animada e de fácil acesso.

Encontra-se aqui o único santuário de elefantes de gestão governamental, onde vivem cerca de cinquenta destes animais e onde se encontra um hospital especializado na espécie. 

A melhor altura para visitar a cidade é durante o fim-de-semana, quando o mercado se encontra no seu melhor. Aqui encontra cerâmica regional e peças feitas com um papel feito a partir de fezes de elefante.

Mae Hong Son

Não é fácil chegar a esta pequena cidade. Desde Chiang Mai são seis horas de viagem através de uma estrada sinuosa. Mas o esforço compensará o viajante com um cenário urbano que o parece transportar para Myanmar. A comunidade Shan é aqui a maioria, e as influências culturais burmesas são evidentes. 

O centro da cidade, com os seus mercados e templos, percorre-se facilmente a pé, mas quem tiver mais tempo disponível poderá explorar os arredores, onde encontrará quedas de água, grutas e percursos adequados para uma boa caminhada.

Nan

Uma cidade histórica de grande importância no antigo reino de Lanna. Localiza-se próximo da fronteira do Laos e no seu apogeu beneficiou da posição entre Chaing Mai e Luang Prabang. Apenas em 1931 foi integrada na moderna Tailândia. Vale a pena visitar o Museu Nacional de Nan, num palácio onde viveram os últimos senhores feudais, assim como o Palácio Real de Teca, datado do século XIX e o templo Wat Phumin, do século XVI. 

Chiang Dao na Tailândia

Dica secreta para o norte: Chiang Dao

Chiang Dao é uma pequena cidade de montanha, a uma hora a norte de Chiang Mai. Uma excelente alternativa a Pai, que com o tempo perdeu algo do seu antigo charme. Chiang Dao não se destaca por nada e talvez por isso se tem mantido intocada pelo turismo de massas. E contudo está cheia de encantos. É aqui que fica a gruta de Chiang Dao, que se tornou famosa por ali terem ficando presos 12 rapazes de uma equipa de futebol e o seu treinador, libertados duas semanas depois do seu desaparecimento. A 2 km da cidade fica o bonito templo Wat Tham Pha Plong a que se acede depois de subir 500 degraus. Para quem gosta de caminhadas exigentes, pode-se subir ao topo do Doi Chiang Dao, que fica a quase 2,200 m de altitude. Serão oito horas de caminhada, ida e volta, desde o ponto de partida mais próximo. Pode-se dormir no local para assistir ao nascer do sol. Para dar apenas mais um exemplo dos pontos de interesse em redor desta cidade, há as nascentes de água termal bem quente, que oferecem uma experiência relaxante. 

Cidades do Sul

Hat Yai

Tem cerca de 155 mil habitantes e é a maior cidade do sul do país. Trata-se de um centro urbano novo, que se desenvolveu devido ao turismo. Atrai visitantes sobretudo da Malásia e de Singapura e encontra-se no eixo que liga estes países ao centro e norte da Tailândia. 

Se visitar, dê uma vista de olhos no mercado flutuante de Klong Hae e no Buda reclinado que se encontra no templo Wat Hat Yai Nai. Com 35 metros de comprimento é o terceiro maior do mundo. 

Krabi

O nome de Krabi encontra-se associado à ideia de umas férias de praia na Tailândia. Com 50 mil habitantes é capital da região com o mesmo nome e o principal ponto de acesso às ilhas Koh Lanta e Koh Phi Phi. É dotada de um aeroporto internacional e a base ideal para explorar as ilhas da região e as suas praias paradisíacas. 

O mercado nocturno é especialmente animado aos Sábados, mas pode ser visitado em qualquer dia da semana. 

Wat Tam Kaew é o nome de um bonito templo localizado no centro da cidade, mas o Wat Tam Sua, localizado a cerca de 3 km da cidade é ainda mais espectacular. Localiza-se no topo de uma formação montanhosa e pode ser acedido através de uma escada com 1272 degraus mas também é possível chegar até ao templo de transportes públicos.

Nakhon Si Thammarat

Esta é uma das cidades mais antigas da Tailândia, tendo sido capital do reino de Ligor. Nos seus arredores encontram-se selvas virgens, bonitas praias e quedas de água. Na cidade destaca-se o templo Wat Phra Mahathat, considerado o mais importante do sul do país e que data da época da fundação de Nakhon Si Thammarat. As muralhas da cidade, que se encontram documentadas já no século XIII, pereceram com o tempo, mas é ainda possível observar um segmento, na parte norte, assim como um dos antigos portões.

Surat Thani

É a capital da província com o mesmo nome, e com 125 mil habitantes é uma das maiores cidades do país. O seu nome, dado pelo rei Rama VI no início do século XX, significa “cidade das boas gentes”.

A dispersão das estações de comboio e de autocarro tornam a visita um pouco mais complicada e na realidade poucos turistas aqui vêm. E é nisto que reside o seu encanto: é uma cidade genuína, intocada pelo turismo de massas, e ao mesmo tempo é uma excelente base para uma série de locais de extrema beleza nas suas imediações, como é o caso dos Parques Nacionais de Ang Thong e de Khao Sok, ou da zona costeira de Khao Lak.

Phuket 

É a capital da ilha com o mesmo nome, a maior e a mais popular da Tailândia. Sendo uma cidade bastante turística, todo o dinheiro que ali aflui tem contribuído para a manter limpa e bem tratada, especialmente no centro, onde abundam bonitos edifícios históricos. 

A rua Thalan é especialmente interessante. Aos Domingos tem aqui lugar um grande mercado e é ladeada de grandes mansões sino-portuguesas, muitas delas convertidas em cafés e restaurantes que se podem visitar. Outras, estão abertas ao público como casas-museu. É o caso de Baan Chinpracha, onde se pode ter uma ideia de como seria ali a vida nos finais do século XIX, ou o Museu Thai Hua, instalado numa antiga escola. Veja algumas opções de alojamento em Phuket.

Gastronomia da Tailândia

Gastronomia

A cozinha é um dos elementos com mais variações em países que se alongam. Isto acontece porque as influências na cultura da Tailândia são diferentes e porque os ingredientes presentes na Natureza variam com a morfologia e com o clima.

No caso da Tailândia as diferenças são claras.

  • No norte, onde não se tem acesso ao mar, o peixe e o marisco não fazem parte da dieta das populações. O arroz é preparado de uma forma que resulta numa espécie de massa, com os grãos quase colados entre si. É o chamado sticky rice. Os pratos têm sabores intensos, ligeiramente salgados e com recurso generoso a molhos picantes. A cozinha do norte da Tailândia chama-se Lanna ou Isaan, e um bom exemplo desta linha gastronómica são as Sai ua, umas salsichas típicas de Chiang Mai. 
  • No sul recorre-se a muitos alimentos provenientes do mar. Encontram-se sabores agridoces e o uso de temperos picantes é mais intenso do que no norte. O arroz é servido solto, aromatizado com jasmim. Alguns exemplos dos pratos característicos do sul da Tailândia: gaeng tai pla (caril de peixe), khao yum (arroz salteado com vegetais).

Língua

Para a maioria dos viajantes esta é uma diferença que não será notada. Mas as pessoas não falam da mesma maneira em todas as regiões da Tailândia. Existem 71 línguas, embora a maioria delas tenham um peso reduzido.

  • O Kham Mueang, ou Lanna (o mesmo nome que a gastronomia do norte), é a língua do povo Khon Mueang, que habita no norte da Tailândia e em parte do Laos. 
  • O Pak Tai é uma língua do sul, falada por 4,5 milhões de pessoas.

Saúde

Os riscos de ser infectado por malária na Tailândia são reduzidos. Em 2005 um artigo publicado na Emerging Infectious Diseases concluiu que 1 em cada 50.000 visitantes contrairá a doença. Mas o principal hospital tailandês vocacionado para a assistência na área das doenças tropicais teve apenas três turistas como pacientes entre 2000 e 2005. Este hospital não recomenda a utilização de medicamentos para a profilaxia da malária.

Contudo, existem algumas zonas do país onde o risco sobe um pouco: ao longo de toda a fronteira com Myanmar, no sul junto à Malásia e numa área de fronteira com o Laos a sudoeste. De uma forma geral a presença de malária varia ao longo do ano, elevando-se na época das chuvas. Nas principais cidades o risco é considerado inexistente. 

O Dengue pode também ser um problema em algumas áreas da Tailândia. O norte é mais afectado, especialmente em épocas com muita chuva. As zonas com mais casos são Maehongsorn, Bungkan, Songkla, Rayong e Chiang Mai.

Preços

  1. O norte da Tailândia é claramente mais barato.
  2. O turismo na Tailândia tem feito os preços subirem no sul, especialmente nas áreas mais atraentes para o viajante.
  3. Em média poderá cortar quase em metade os gastos se viajar apenas no sul.
  4. As refeições poderão custar um terço do valor nas zonas de praia do sul, mesmo nas cidades mais importantes como Chiang Mai. 
  5. Um quarto privado económico custará uns 300 Bahts no norte e cerca de 500 Bahts no sul.
  6. Uma refeição será respectivamente 30 e 100 Bahts.
  7. O aluguer diário de uma scooter rondará os 300 Bahts nas províncias do norte enquanto no sul gastará cerca de 500 Bahts. 

Transportes

Apesar dos seus 1600 km de extensão, não é difícil viajar entre as diversas regiões da Tailândia. 

Avião

Se o percurso for longo, especialmente quando se vai do norte para o sul, ou da capital para uma das zonas mais distantes do país, a opção mais confortável é voar. Além disso, os preços não são muito diferentes das viagens de autocarro de longo curso. Existe uma considerável rede de voos domésticos operados por companhias aéreas como a Air Asia, a Bankok Airways, a Lion Air, a Nok Air, a Thai Airways ou a Thai Smile. 

Autocarro 

Os autocarros cobrem de forma eficiente o país, com as rotas a ligar as capitais provinciais mas com muitas paragens ao longo do caminho. Banguecoque e as suas três grandes estações rodoviárias tem grande peso na organização da rede de rotas de autocarros, com uma boa parte das ligações a partir da capital ou a dirigir-se para ela. 

Existe uma escolha primordial a fazer quando se viaja de autocarro na Tailândia: usar a companhia estatal, de menor qualidade, instituída para garantir que qualquer cidadão pode chegar facilmente à capital, ou recorrer a companhias privadas, geralmente com padrões de qualidade mais elevados e também mais caras. 

Carrinhas

Para complementar os serviços de autocarros existem carrinhas que efectuam ligações directas, especialmente entre Banguecoque e as principais cidades de província. Por vezes é possível obter um transporte desde áreas de alojamento turístico para outros pontos de interesse. Por exemplo, desde a zona de Khao San para Pattaya. 

Comboio

O comboio é sempre uma opção interessante. Raramente é rápido, mas permite uma observação descontraída do estilo de vida de comunidades remotas, distribuídas ao longo dos percursos. 

Existem quatro eixos ferroviários principais de comboio na Tailândia, todos com início na estação de Hualamphong, em Banguecoque.

  1. A linha do norte vai até Chiang Mai, passando por Ayutthaya, Lopburi, Phitsanulok e Lampang.
  2. A linha do noroeste bifurca-se em Nakhon Ratchasima, com um dos ramais a seguir até Ubon Ratchathani, passando por Buriram, Surin e Sisaket. O outro termina em Nong Khai, junto à fronteira com o Laos e muito próximo da capital desse país, Vientiane.
  3. A muito conveniente linha do sul atravessa toda essa região chegando junto à fronteira com a Malásia e passando por Hua Hin, Chumphon, Surat Thani e Hat Yai.
  4. Por fim a linha do Oriente, que se dirige à fronteira com o Cambodja.

É simples comprar bilhetes, especialmente na estação de Hualamphong onde há sempre alguém nas bilheteiras que fala inglês. O comboio é uma excelente opção para uma viagem nocturna, especialmente em primeira classe, onde se consegue obter um compartimento privado para duas pessoas.

Banguecoque: a Cidade do Meio

A capital da Tailândia, Banguecoque, tem cerca de 10 milhões de habitantes. É uma enorme metrópole, com muito para oferecer, e a sua localização marca claramente a transição do norte para o sul do país. Não sendo uma cidade costeira, está bastante próxima das águas do Golfo da Tailândia e, um pouco para leste, inicia-se a longa península que se estende até à extremidade sul da Tailândia, junto à fronteira com a Malásia. Uma das curiosidades da Tailândia é que Banguecoque tem o nome de cidade mais longo do mundo

Na capital o viajante encontrará o monumental Grande Palácio Real, um sem número de templos, mercados cheios de cor e aromas, um rio que fervilha de vida. Poderá ver o Buda Reclinado, que tem 15 metros de altura e 46 metros de comprimento, tudo coberto com folha de ouro. Visitar o Museu Nacional poderá tomar uma boa parte de um dia, e se à noite ainda sobrar energia os mercados nocturnos de Patbong ou de Rod Fai serão excelentes opções. E se diversão pela noite dentro interessar, Banguecoque é conhecida pelas áreas em redor de Khaosan Road, de Soi Cowboy e de Nana Plaza.

Poderá aproveitar uma estadia em Banguecoque para fazer algumas coisas tipicamente tailandesas que aqui se encontram com facilidade: assistir a um combate de Muay Thai, o kickboxing tailandês, descontrair com uma massagem tailandesa, deliciar-se com a comida de rua ou ver um espectáculo de fantoches.

Com base na capital tailandesa podem-se fazer passeios diários a Maeklong e aos mercados flutuantes. Este lugar está na minha lista de 10 coisas que gostei na Tailândia.

Ver passar o comboio no mercado de Maeklong na Tailândia
Ver passar o comboio no mercado de Maeklong na Tailândia

Maeklong é uma pequena cidade localizada a cerca de 90 km a oeste de Banguecoque. É aqui que se faz um mercado que se tornou famoso por se estender sobre uma linha de comboio, com os vendedores a recolher os seus produtos de cada vez que passa uma composição. Chegar a Maeklong de transportes públicos não é muito fácil, mas se conseguir organizar a sua viagem terá uma experiência gratificante. É possível ir e voltar no mesmo dia mas não existe margem para erros e não terá muito tempo para passar em Maeklong. 

Não muito longe de Maeklong faz-se um dos mercados flutuantes mais populares de entres os  que se encontram nos arredores da capital tailandesa:  Damnoen Saduak. Conte com muitos visitantes estrangeiros. Se quiser opções menos turísticas pode combinar uma ida aos mercados flutuantes de Khlong Lat Mayom e de Taling Chan, já que se encontram próximos e são facilmente acessíveis desde Banguecoque.

Ayutthaya, a antiga capital do reino do Sião, pode ser visitada facilmente desde Banguecoque. Este local, considerado Património Mundial da Humanidade pela UNESCO, é hoje em dia um amplo parque arqueológico onde se podem observar múltiplas ruínas dos tempos áureos da cidade, arrasada pelos burmeses no século XVIII. Existem comboios directos desde Banguecoque.

Conclusão: Norte ou Sul?

Como vimos o norte e o sul da Tailândia têm características diferentes. Nenhuma destas regiões é melhor ou pior do que a outra. Cada pessoa terá as suas preferências, a sua personalidade e a sua disposição de momento. O importante é tomar uma decisão informada e compreender as diferenças entre o norte e o sul antes de começar a desenhar um plano de viagem à Tailândia.

Da fronteira norte do país até à ponta sul vão cerca de 1.600 km e será necessário fazer escolhas e concessões. É verdade que os voos domésticos podem reduzir o problema, mas nem todos os viajantes estarão disponíveis a pagar por esse pequeno luxo e há quem evite voar. 

O trajecto final dependerá também do tempo que tem disponível para a viagem. Se apenas puder gastar uma semana ou dez dias no país, talvez não seja boa ideia apressar as coisas e correr do norte para o sul ou vice-versa. 

Com duas semanas ou, melhor ainda, um mês, poderá conhecer a Tailândia razoavelmente bem, incluindo o norte e o sul e passando alguns dias em Banguecoque. Este será o melhor cenário, já que usufruirá do melhor que ambas as regiões têm para oferecer ao visitante.

Grave no Pinterest

Faça um pin desta página e siga o blog no Pinterest.

TAILANDIA
TAILÂNDIA
Instagram JoaoLeitaoViagens