Promocao de Viagem a Marrocos Verao 2021

Cruzeiro para a Antártida – Que navio escolher

Categorias Antártida
Cruzeiro para a Antártida
Cruzeiro para a Antártida

Escolher a expedição mais adequada para o seu caso poderá ser um desafio. Existem tantas opções, com preços tão variados… poderá sentir-se perdido, mas não desespere. Vou-lhe dar algumas ideias para ajudar a alinhar as ideias.

Para começar a preparar a sua viagem à Antártida, vai deparar-se com uma pergunta importante: que navio escolher?

Digamos que existem duas grande categorias de cruzeiros. Há os que se fazem a bordo de navios com os níveis de conforto geralmente associados a um cruzeiro, que podem incluir piscinas a bordo, excelentes refeições, cabines espaçosas e por vezes com varanda, bebidas incluídas no preço, enfim, um verdadeiro serviço de cinco estrelas. Estes navios oferecem mais estabilidade para enfrentar mares revoltos e são geralmente maiores, apesar de por um preço acrescido considerável se conseguir tudo isto em barcos de menores dimensões.

E depois há aqueles que se podem chamar de cruzeiros de expedição. São mais pequenos que os navios de cruzeiro convencionais, quase sempre construídos de raiz para estas viagens à Antártida e oferecendo um bom balanço entre conforto, tamanho e adequação às condições de viagem na região.

Considerados por alguns como “cruzeiros de expedição”, temos os cruzeiros em navios de investigação científica. Na realidade são ex-navios de investigação científica, quase sempre antigos navios soviéticos que foram adaptados e reequipados para esta nova vida. O conforto não é dos mais elevados, mas talvez isso contribua para uma experiência mais genuína e é neste tipo de viagens que encontrará a possibilidade de fazer mais actividades, como canoagem ou mergulho. Tipicamente são pequenos, com capacidade para 50 a 100 passageiros.

Por fim, os Cruzeiros de Luxo, oferecendo a maior comodidade que consiga imaginar, com preços correspondentemente elevados e que o serão ainda mais à medida que as dimensões do navio sejam menores.

Tamanho do Navio

Tamanho do Navio para Antártida
Tamanho do Navio para Antártida

Considere que quanto menor for o navio que escolher mais usufruirá das experiências que aguardam os visitantes. Isto porque a cada momento apenas cem pessoas têm autorização para desembarcar. Portanto, quanto menos gente estiver a bordo, mais possibilidades terá de participar em todas as actividades e mais longas serão as permanências em terra.

O ambiente também varia. Quanto mais pequeno for o navio, mais se sentirá um espírito de grupo e mais laços se estabelecerão entre os viajantes a bordo. Por outro lado, os navios mais pequenos terão menos comodidades e serão menos estáveis a navegar em mares alterosos, um factor a ter em conta por aqueles que têm propensão a enjoar.

Note que as dimensões do navio influenciarão a sua flexibilidade para navegar em águas menos profundas ou com mais icebergues. Quando menor for, mais o capitão terá facilidade na manobra, o que será vantajoso para todos os passageiros.

E note que os passageiros de grandes navios estão impedidos pelas convenções que regulamentam a Antártida de vir a terra. Se o seu barco transportar mais de quinhentos passageiros a sua experiência no continente gelado decorrerá exclusivamente a bordo.

Região da Antártida a visitar

Região da Antártida a visitar

A Antártida é imensa e mesmo sem cruzar o Círculo Polar Antárctico uma viagem de navio de uma ou duas semanas não conseguiria mostrar-lhe tudo o que de belo há para ver nesta parte do Planeta. Há portanto que ler sobre os diversos locais usualmente visitados na Antártida e alinhar prioridades, decidindo sobre a região que lhe oferece mais atractivos.

A esmagadora maioria dos navios de cruzeiro ruma da extremidade meridional da América do Sul à Península Antártida, uma ponta do continente gelado ainda a norte do Círculo Polar Antárctico, onde existe uma notável concentração de locais de interesse e onde se pode ver muito num espaço de tempo relativamente reduzido para além de se ter ali condições climatéricas muito aceitáveis no período de Verão.

Junto a essa península, quer no corpo continental quer nas muitas ilhas que lhe estão próximas, podem-se visitar locais como Port Lockroy, Deception Island, Neko Harbor ou Half Moon Island, para citar apenas alguns exemplos. Poderá ler neste artigo sobre os locais mais significativos que são visitáveis e depois de investigar mais a fundo as diversas possibilidades fazer uma lista do que é quase indispensável para si e comparar com as propostas das companhias que organizam cruzeiros.

Poderá fantasiar chegar a locais mais desafiantes, mais a sul, quem sabe, até ao próprio Pólo Sul. Tudo isso é possível, existindo viagens que levam os turistas até esse local mágico, mas o sonho terá um preço monetário elevado.

Num registo mais moderado, será possível cruzar a Linha Polar Antártida, mas não são muitos os cruzeiros que o fazem e, claro, também isso adicionará uma verba considerável ao orçamento.

Uma visita às Ilhas Fallkand, também chamadas de Ilhas Malvinas, ou à Geórgia do Sul, implicará mais tempo de navegação, mas também uma experiência diferente.

Duração da viagem

Duração da viagem na Antártida

Claro, quanto menor for a duração da expedição mais económica será. Contudo, aconselho a ponderar se valerá a pena embarcar num dos pacotes mais em conta, tipicamente para um cruzeiro de sete dias. É que mesmo sendo o mais económico, o custo destes cruzeiros é ainda assim elevado, certamente vários milhares de Euros. O que significa que poderá ficar um caso da famosa frase: “O barato sai caro”. Vejamos… para chegar à Antártida necessitará no mínimo de dois dias… talvez três. E o mesmo para regressar. Se as coisas correrem mal, o tempo que tem para efectivamente usufruir e explorar o continente gelado fica reduzido a quase nada e mesmo no melhor dos cenários permanecerá na Antártida apenas dois ou três dias.

Por outro lado os cruzeiros mais longos custam quantidades astronómicas de dinheiro e também se poderá dar o caso de não ter tempo suficiente para gastar por estas paragens. Talvez uma expedição de dez a quinze dias seja a solução mais equilibrada. Optando por algo deste género poderá efectuar a travessia da Passagem de Drake e mesmo com condições climatéricas adversas haverá tempo para visitar bastantes locais na Antártida. Quanto ao dinheiro, considere arriscar e procurar uma promoção de última hora.

Época do Ano

Na realidade só há uma época do ano em que se pode visitar a Antártida: é a do Verão no Hemisfério Sul, entre Novembro e Março. Noutra parte deste artigo explico quais os prós e contras de cada um destes meses.

Se tem em vista algum das actividades de exterior e experiências ao dispor dos visitantes da Antártida deverá confirmar com a organização da expedição se o que procura está incluído no programa ou se pode ser arranjado para si.

Actividades a Bordo

Actividades a Bordo do navio para a Antártida
Actividades a Bordo do navio para a Antártida

A organização do seu cruzeiro deverá preparar um programa para manter os passageiros entretidos quando se navega e quando não há condições para ir a terra. Para além do que é esperado num cruzeiro, com abundância e qualidade dependendo do navio e, claro, do que pagou pela viagem, deverão ser oferecidas actividades relacionadas com a Antártida, incluindo palestras e sessões de esclarecimento levadas a cabo por cientistas e especialistas em diversas áreas. Quando fiz a minha viagem à Antártida fui acompanhado pelo neto do famoso Capitão Scott, que perdeu a vida na corrida pela chegada pioneira ao Pólo Sul, e por Jonathan Shackleton, primo de um dos mais famosos exploradores da Antártida. É também interessante a possibilidade de contar com a ajuda permanente de um fotógrafo especialista na recolha de imagens nesta área tão própria.

Custo

A existência de situações de última hora, que resultam em preços drasticamente reduzidos em relação aos valores habituais de tabela torna complicado escrever sobre a escolha de uma expedição à Antártida baseada no orçamento do viajante.

Claro que em condições normais, caso sinta que deve reservar a sua viagem com toda a antecedência, poderá ter que condicionar as escolhas à verba que está disposto a disponibilizar.

Combinação Navio – Avião

Quer seja por uma questão de tempo quer seja por uma questão de conforto, é possível fazer parte da viagem à Antártida de avião, geralmente com partida de Ushuaia ou de Punta Arenas. O voo leva o passageiro até às Ilhas Shetland, onde se dá o embarque no navio a bordo do qual a expedição à Antártida se inicia.

Com esta solução o viajante poupará 4 a 6 dias de navegação em mar aberto e o potencial desconforto de atravessar a Passagem de Drake em condições climatéricas adversas. Note que muitos marinheiros consideram esta percurso o mais duro de qualquer oceano do planeta.

Claro que esta comodidade terá um preço acrescido. Deverá informar-me junto da companhia que organiza a sua expedição das possibilidades e custos da combinação navio – avião. Tenha em conta que por vezes é possível fazer um misto, com apenas uma travessia de avião e a outra a ser feita a bordo.

Que Tipo de Quarto Escolher

Quarto dentro do navio para a Antártida
Este foi o meu quarto dentro do navio para a Antártida

Depois de decidir qual a expedição mais adequada para si terá que escolher o tipo de quarto. Este factor influenciará o valor a pagar. Quanto mais interior for um quarto, menos custará. Quanto menos gente partilhar um quarto, mais custará. Considere as suas prioridades. Se pensa que só usará o quarto para dormir e planeia passar todo o dia no exterior, quer seja em actividades quer seja observando o exterior a partir do convés ou convivendo nas áreas comuns, talvez não faça sentido preocupar-se muito com o número de camas no seu quarto ou se tem uma boa vista desde o seu interior.

O cenário mais económico corresponde a cabines para quatro pessoas, nos conveses inferiores, apenas com uma pequena abertura para o exterior, a chamada “vigia”, e uma casa de banho exterior partilhada com outros quartos.

A partir daí é sempre a subir, dependendo da sua capacidade económica, com extremo luxo na outra extremidade da escala.

Note que se pensar procurar uma promoção de última hora os tipos de cabine mais económica raramente são cobertos nessas situações. A tendência é gastar o mesmo e obter algo melhor, em vez de conseguir baixar mais o que já é o mais barato.

Visitar a Antártida barato

Visitar a Antártida barato
Porta de uma agência de viagens em Ushuaia com promoções diárias.

Como visitar a Antártida com um orçamento mínimo? As viagens à Antártida são de facto dispendiosas. Não há como contornar isto. Custarão sempre uma quantia de dinheiro pouco comum nestas andanças das viagens.

Primeiro, há que considerar que a localização do nosso destino é verdadeiramente remota e que temos que nos deslocar até aos pontos de partida dos cruzeiros para o continente gelado, que são, também eles, bastante afastados, especialmente para quem vem da Europa.

Segundo, só há duas formas de chegar à Antártida, e nenhuma delas é económica: de avião ou helicóptero ou de navio.

Perante isto é natural que o custo seja um elemento de preocupação para o viajante ousado que sonha com ver um dia as paisagens fabulosas destas terras geladas e a fascinante vida animal que por aqui abunda.

Só há uma forma de conseguir uma viagem à Antártida com um preço especial: apostar na compra de um pacote em last minute, ou seja, à última da hora. E se o fizer para os primeiros ou últimos dias da época do Verão Antárctico, tanto melhor.  Pode contar com uma poupança entre os 30% e os 60% sobre o preço original se conseguir uma situação de última hora.

E o que é “última hora”? Bem, não será literalmente uma hora antes da partida. Nem um dia. Os chamados “negócios de última hora” no que toca a viagens à Antártida são conseguidos mais ou menos entre uma e duas semanas antes da data de início da expedição.

Poderá procurar na Internet estas promoções mas nada se compara às vantagens de se deslocar pessoalmente às agências de viagens que estão estabelecidas em Punta Arenas ou Ushuaia – assumindo que é de lá que partirá à descoberta do continente gelado. Além disso, é provável que o local onde esteja alojado tenha um quadro com as melhores e mais recentes promoções afixadas.

Note que apesar de mesmo assim ser caro, as reduções mais acentuadas são sobre os produtos mais dispendiosos: cabines com menos companheiros de viagem ou cruzeiros com mais dias e mais actividades.

A desvantagem desta estratégia é a incerteza. O viajante deverá chegar ao porto de partida com algumas semanas de antecedência e procurar activamente as melhores situações, sem nunca ter a certeza de que vai encontrar algo compatível com o seu orçamento ou expectativas. Especialmente se tiver que viajar no pico da época.

Por isso esta solução não será recomendada, ou de todo possível, para quem viaje com um plano estrito, com tempo limitado ou com um voo já marcado para deixar a região.

Por fim, deverá ponderar os custos de uma permanência alongada no porto de partida. Ushuaia, por exemplo, é uma cidade relativamente cara. Há que pagar alojamento e a alimentação, o que não sendo grande coisa perante a poupança possível, é mesmo assim algum dinheiro.

Antarctica Last Minute

Antarctica Last Minute
Antarctica Last Minute

Se optar por procurar uma situação de “última hora”, aqui está um método que poderá seguir:

  1. Chegue a Ushuaia ou Punta Arenas em meados de Outubro ou no início de Fevereiro. Tenha em consideração que as agências de navegação colocam as suas propostas no mercado de “última hora” entre 15 a 10 dias antes da data de partida.
  2. Procure um alojamento a bom preço.
  3. Defina o tipo de viagem que procura e preço máximo que quer pagar por ela.
  4. Dê uma volta diária pelas agências de viagens, visite o centro de visitantes e fale com o pessoal do seu alojamento.
  5. Se até lá não avançar, sugiro que o faça quando estiver a uma semana da data de partida desejada. Se for em Novembro, com o avançar do tempo reduzem-se as possibilidades de uma viagem barata.

Por outro lado, poderá preferir procurar um bom negócio de “última hora” sem se deslocar com grande antecedência para o porto de partida. Há quem diga que vai perder dinheiro mas também que as diferenças não são assim tantas, se é que existem.

Agências de Viagens para a Antártida

E onde começar a procurar agências que vendam viagens para a Antártida? Por exemplo na página Polar Cruises, onde poderá fazer uma pesquisa geral dos cruzeiros para a Antártida.

Outras agências de viagens a contactar:

E aqui estão algumas companhias de navegação que poderá contactar directamente. Tente subscrever listas de distribuição por e-mail. Mas atenção que os melhores negócios podem esgotar depressa e nunca chegar a ser incluídos nessas distribuições.

Se preferir ter as coisas planeadas com alguma antecedência, tem ainda mesmo assim algumas possibilidades de conseguir um bom negócio. Trate de subscrever as listas de distribuição por e-mail uns meses antes do início da época de cruzeiros à Antártida. Entre 60 e 30 dias antes da abertura das operações costuma haver uma vaga de promoções que poderá resultar em algo de interessante.

Notas Avulsas & Dicas pessoais

  1. Tenha em conta que apesar dos itinerários dos cruzeiros serem planeados com bastante antecedência e aprovados pela administração do território, a verdade é que na Antártida as condições climatéricas ditam a lei. Por isso esteja preparado para alterações ou mesmo cancelamento de actividades e visitas que estejam à partida previstas.
  2. Tem de ter em conta que uma viagem mais barata não quer dizer que será a melhor opção. Ou seja, numa viagem de seis dias, se um navio lento demora quatro dias a cruzar até à Antartica, já só tem dois dias possíveis para ir ao continente. Se tiver azar em apanhar mau tempo, poderá nem ter oportunidade de descer e pôr os pés em terra propriamente dita.
  3. O meu conselho é mesmo de comprar um pacote bem escolhido, um pouco mais caro, e de o maior número de dias possível.
  4. Tente escolher uma expedição cara por um preço mais barato.


Instagram JoaoLeitaoViagens