Guia de viagem para passar férias no Iémen

Categorias Iémen
Férias no Iémen
Férias no Iémen

Iémen é um país fascinante para passar férias. Comecei a viajar no Iémen passando a fronteira por Omã. O Iémen é um país situado na Península Arábica, e é uma nação com muitos tesouros culturais e históricos. Foi outrora o palco de antigas civilizações avançadas. Embora hoje o país sofra com a guerra, o que ocasiona problemas extremos de cariz económico, político e social, O Iémen era uma das nações árabes mais ricas do passado.

República do Iémen

Mapa do Iémen no Mundo
Mapa do Iémen no Mundo
Guia de viagem para passar férias no Iémen 1

  • Capital: Sanaa
  • Língua oficial: Árabe
  • Presidente: Disputa entre Mahdi al-Mashat e Abd Rabbuh Mansur Hadi
  • População 2016: 27.584.213 habitantes
  • Moeda: Rial iemenita
  • Área Total: 527.968 km²
  • Fuso horário: UTC +3
  • Código telefónico internacional: +967
  • Clima: Árido e semiárido
  • Visto: Complicado fazer visto para o Iémen.
  • Fronteiras: Arábia Saudita e Omã.

NOTA: Viajar para o Iémen é difícil porque não é um destino seguro. Está, no entanto, cheio de pessoas extremamente afáveis, orgulhosas e hospitaleiras.  Algumas regiões do Médio-Oriente estão muito instáveis, e devem saber que viajar para esta zona não é seguro a 100%. Este blog apenas partilha informação de viagem. Não sou responsável por qualquer informação errada ou algo que vos possa acontecer. Sejam conscientes e viajem de forma segura e responsável.

Locais a não perder numas férias no Iémen: Cidade velha de Sanaa, Ilha de Socotra, Zabid, Wadi Hadramaut, Shibam, Seyun, Tarim, Áden, Cisternas de Attawila.

Porquê visitar o Iémen?

Cada viajante tem os seus próprios objetivos e preferências de viagem. Durante muito tempo alimentei o desejo de visitar o Iémen, questionando-me sobre como seriam na realidade destinos como Sanaa, Shibam, Socotra e Wadi Dawan. Deixem-me contar-vos como me surgiu a ideia de viajar para o Iémen, uma vez que não era suposto ir lá de todo. 

O verão tinha terminado, e eu tinha acabado de regressar de uma viagem de um ano numa auto-caravana pela Ásia Central e Médio Oriente.

Enquanto estava na Polónia a preparar-me para o regresso a casa em Ouarzazate – Marrocos, esta viagem ao Iémen surgiu como uma excelente oportunidade. Algo que eu não podia recusar.

Um amigo explicou-me que havia um tipo no Iémen que poderia tratar de todos os procedimentos necessários para que uma viagem se concretizasse.

Eu fiquei entusiasmado e rapidamente pedi-lhe o email do homem e enviei-lhe uma mensagem rápida. De repente dou por mim a comprar um voo de Varsóvia a Salalah (Oman) via Doha numa questão de dois a três dias.

Turismo no Iémen

vídeo da minha viagem de uma semana no Iémen

Viajar no Iémen – O que saber

  1. Antes de viajarem para o Iémen devem ter em atenção vários aspetos sobre religião, cultura e segurança; 
  2. O Islamismo é a principal religião do país, e as pessoas em geral são extremamente religiosas. A Constituição baseia-se na lei islâmica Sharia e a cultura está profundamente assente no Islamismo.
  3. Assim, tenham em atenção que devem respeitar os costumes e crenças, vestindo-se de uma forma conservadora e aprendendo alguns faux-pas básicos que não devem ser cometidos em países muçulmanos tais como comer com a mão esquerda, apertar a mão de uma mulher, cruzar as pernas e apontar o pé para a pessoa ao lado ou dar a mão esquerda num aperto de mão, por exemplo; 
  4. Nunca julguem, critiquem ou questionem o Islamismo. Mesmo que tenham as vossas próprias opiniões, relaxem e guardem-nas para vocês mesmos. É frequente as pessoas falarem convosco sobre a sua religião, quase como se estivessem a tentar convencer-vos a converterem-se ao islamismo. Respeitem, sorriam e deem um feedback positivo sobre isso. 
  5. O povo iemenita irá muito provavelmente convidar-vos para uma chávena de chá ou para partilhar uma refeição. Aceitar o convite é visto como um gesto amigável. Tirem os sapatos antes de entrar na casa das pessoas; 
  6. Os iemenitas fumam muito, por isso, se entrarem na casa de alguém, estejam preparados para um ambiente de fumo, onde vos será oferecido chá, café, khat e cigarros; 
  7. O Iémen é assumidamente um estado islâmico, sem qualquer separação entre o estado e a religião;
  8. Respeitem as crenças do povo;
  9. Vistam-se de forma conservadora, até os homens deverão cobrir braços e pernas;
  10. Se não acreditarem em Deus, não o digam em voz alto. Não só porque estarão a ser rudes para com muçulmanos de todo o mundo, mas principalmente porque é uma blasfémia no Iémen;
  11. A blasfémia é tratada como uma apostasia e criminalizada e punível com pena de morte; 
  12. Alguns dos vales de Wadi Dawan são habitados pela Al-Qaida ou outros militantes muçulmanos Salafi similares. Perguntem ao vosso intermediário ou condutor onde podem ir em segurança;
  13. Durante a vossa viagem a Hadramout encontrarão alguns extremistas islamitas tais como os Salafis. Vistam-se de forma conservadora, não se destaquem da multidão; 
  14. Não precisam de se vestir ao estilo iemenita para não se destacarem. Na realidade, se forem louros de olhos azuis, provavelmente destacar-se-ão mais ao usar roupas locais. Eu vesti-me da forma que me visto habitualmente, e é claro que as pessoas esperavam que um tipo com a minha cara se vestisse da forma como me vestia. Por isso não me destaquei da multidão como se me estivesse a esconder ou passar despercebido. 
  15. Se viajarem para o Iémen durante a guerra da forma como eu entrei, tenham em conta que o deverão fazer com escolta militar. Isto significa que, se atravessarem a fronteira como eu fiz, estarão a viajar ilegalmente;
  16. Atualmente o Ministério do Turismo iemenita não se encontra a emitir vistos para visitar o Iémen continental. Provavelmente passarão a fronteira com documentos legais para visitar a ilha de Socotra. Assim sendo, estarão com um estatuto ilegal no Iémen, uma vez que os vossos documentos são para Socotra; 
  17. Durante os check-points, deixem que seja o vosso intermediário ou condutor a falar. Olhem apenas para a polícia ou militares com um sorriso suave e acenem com a cabeça; 
  18. O vosso condutor deixar-vos-á explorar sozinhos, por isso estarão por vossa conta a maior parte do tempo no Iémen. Nunca sejam rudes quando as pessoas vos veem colocar questões, eles estão apenas a tentar certificar-se de que não são uma ameaça à sua comunidade; 
  19. É bastante provável que os planos de viagem sofram alterações, por isso é necessário que sejam flexíveis e relaxem. Eu tive de encurtar a minha estadia em Seyun devido a demonstrações de rua e protestos. O Sr. Abdulhameed foi avisado pelo seu amigo no Ministério do Turismo que me deveria retirar de Seyun antes da 8h da manhã do dia seguinte. Fizemo-lo sob segurança apertada uma vez que as pessoas já se encontravam a queimar pneus e a bloquear as estradas. Estes tipos de protestos terminam sempre em tiroteios e em situações perigosas. Se tivesse ficado bloqueado em Seyun, não conseguiria deixar o país a tempo de apanhar o meu voo de volta em Salalah; 
  20. Se não têm interesse em visitar o Iémen continental, e o vosso objetivo principal é visitar Socotra, então a situação é bastante mais fácil. Nem precisam de sair do aeroporto de Seyun, uma vez que o voo para Socotra tem em conta o voo anterior vindo do Cairo, no Egito. 

Arquitetura Iemenita

Tenho a certeza de que a arquitetura iemenita vos fascina tanto a vocês como a mim. Imagens de Sanaa e das cidades de argila de Shibam parecem de outro planeta, e a sua beleza exótica é única no mundo. Eu adoro ter uma boa vista da janela do meu quarto de hotel. Em Seyun tinha uma excelente vista para o nascer do sol sobre a cidade, as montanhas e a mesquita de Al-Haddad.

Comida no Iémen

A comida no Iémen baseia-se muito à base de carne grelhada com arroz, peixe frito com arroz, ou pão feito no forno com favas. Eu adoro favas cozidas, um prato popular em vários países do Médio Oriente e África. A receita iemenita de foul é muito saborosa. Eles cozinham-no quase ao ponto de queimar, o que lhe dá um distinto toque delicioso.

Comida no Iémen
Comida no Iémen

A afabilidade do povo iemenita

As pessoas no Iémen são tão afáveis e hospitaleiras como poderão imaginar. São todos muito curiosos em relação a estrangeiros e o momento em que recebem pessoas de fora merece sempre muita atenção. Devido ao meu aspeto e ao facto de falar árabe, a maior parte das pessoas pensava que eu era da Síria, por isso não sei como será de outra forma. 

É possível reparar que o país está a atravessar um período muito pesado. Consegue-se ver nos olhos das pessoas uma vida de desilusão e ausência de esperança, mesmo quando sorriem. Muitas crianças fizeram conversa comigo e adoraram o facto de eu ser de Portugal, aparentemente o Cristiano Ronaldo tem fãs até na região Hadramout do Iémen.

Como explorar o Iémen durante a guerra

Há duas formas de entrar no Iémen. A primeira consiste em voar diretamente do Cairo para Seyun, e a segunda em voar para Salalah e atravessar uma das fronteiras iemenitas em Sarfait ou Al-Mazyunah. É muito importante saber que turistas estrangeiros não podem entrar no Iémen sem uma escolta militar. Como explorar o Iémen durante a guerra é possível mas com algum risco.

A principal diferença entre as duas formas de entrar no Iémen tem a ver com o facto de que no Aeroporto Internacional de Seyun a polícia não permite que estrangeiros saiam sem proteção armada, enquanto que entrando pela fronteira terrestre com Omã, os oficiais não se importam ou não sabem deste ponto e simplesmente deixam entrar. Eu entrei no Iémen vindo de Omã, num carro de família disponibilizado pelo meu intermediário em Seyun. Cheguei ao Aeroporto Internacional de Salalah por volta das 6h da manhã e, após um telefonema, um tipo iemenita veio buscar-me às chegadas. 

Cruzar a Fronteira

VISTO PARA O IÉMEN
VISTO PARA O IÉMEN

A passagem pela fronteira decorreu curiosamente sem qualquer problema, e as autoridades não precisaram de verificar os meus documentos emitidos por Seyun. Nem precisei de sair do carro. O meu passaporte foi levado e, após 10 minutos, o tipo voltou com todos os passaportes carimbados e preparados para entrar no Iémen.  

O caminho de Salalah para a fronteira era muito cénico e melhorou ainda mais assim que entrámos no Iémen. A paisagem mudou drasticamente, e o Iémen revelou a sua famosa beleza desde o início.  

O veículo providenciado pelo meu intermediário (fixer) era um carro privado, que transportava uma família de quatro vinda de Omã. Dirigiam-se a Taiz, uma cidade na região perigosa, localizada a 1597 km de distância nas terras altas iemenitas. 

Vim para o Iémen sem saber exatamente o que esperar ou o que encontraria em termos de “serviços” na sequência da organização da minha viagem através do Sr. Abdulhameed.

O que me prometeram

  1. Visto turístico iemenita; 
  2. Transporte de Omã até ao Iémen;
  3. Transporte do Iémen até Omã (Salalah);
  4. Licenças turísticas do Iémen;
  5. Todas as refeições e bebidas;
  6. Alojamento.

O resultado final

Nesta secção vou tentar descrever rapidamente a minha experiência no Iémen. Foi maioritariamente positiva, mas deixem-me partilhar algumas situações.

Em primeiro lugar, o meu fixer é um tipo que se assegura que visitam o Iémen e voltam para casa em segurança. Mas, talvez devido a ingenuidade, ele não parece saber inteiramente como é lidar com estrangeiros. Apesar de, na realidade, ser muito amigável e fazer os possíveis para que apreciem ao máximo este país. Eu cheguei a falar diretamente com ele sobre este assunto e a sua vontade de melhorar os seus serviços e receber melhor viajantes é a sua principal preocupação. 

Em segundo lugar, o sentimento diário de não saber para onde estava a ir, onde iria parar ou dormir foi constante durante toda a viagem. Isto adaptou-se totalmente ao meu estilo de viagem por isso não me incomodou muito. Na realidade, eu gosto disso.  

Em terceiro lugar, nos últimos dias da viagem tudo se tornou extremamente inesperado, por isso acabei por me esquecer que tinha na realidade “comprado” um tour para o Iémen. 

Em quarto lugar, algumas partes do país só têm motéis de baixa qualidade, o que não faz mal. Mas apenas não esperem que o dinheiro que pagam corresponda ao produto que recebem. 

Eu tive de pedir ao Abdulhameed para mudar o meu hotel em Seiyun porque achei que não correspondia ao dinheiro que eu tinha pago. Uma vez que estávamos numa cidade maior, eu teria de ter um melhor alojamento ou receber algum reembolso.

Concluindo, esta viagem ao Iémen ultrapassou todas as expectativas e espero poder regressar em breve. Numa próxima oportunidade quero visitar a ilha de Socotra.

Instagram JoaoLeitaoViagens